quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Reino Unido registra mais de 300 óbitos pelo segundo dia consecutivo

Desde o início da pandemia 942.275 pessoas testaram positivo ao novo coronavírus no país.

© Getty Images

Depois de ontem ter registrado o número mais elevado de óbitos desde o fim de maio, o Reino Unido registrou 310 mortes nas últimas 24 horas. Com esta atualização, o total é de 45.675 óbitos registrados no período de 28 dias após as vítimas terem recebido um teste positivo.


Nos últimos sete dias morreram no Reino Unido 1.517 pessoas vítimas deCovid-19, uma média de 217 por dia, o que representa um aumento de 51,2% relativamente aos sete dias anteriores.

Os dados divulgados nesta quarta-feira indicam ainda um aumento de 24.701 casos de infecçãoface a ontem, sendo o total acumulado de942.275.

Face ao aumento de casos e óbitos, o primeiro-ministro britânico enfrenta uma pressão crescente para endurecer as medidas de combate ao novo coronavírus em todo o país, reporta a Sky News.

A taxa deinfecçãonacional éatualmentede 223.8 casos por 100 mil habitantes.

De acordo com as informações do Ministério da Saúde, na segunda-feira estavam hospitalizados no Reino Unido 9,520 pacientes comcovid-19, dos quais 902 com necessidade de apoio respiratório por meio de ventilador.

Em declarações hoje àBBC, MarkWalport, um antigo assessor científico do governo, disse que "não éirrealista" que este número mais que duplique nas próximas semanas, para 25.000 hospitalizados no final denovembro, tendo em conta a evolução observada na França e Espanha.

"Uma das diferenças, claro, é que agora tratamos melhor as pessoas com o novo coronavírus. E, portanto, esperemos a taxa de letalidade seja menor do que era na primeira onda. Mas, no fim das contas, a taxa de letalidade, o número de pessoas que morrem, é um resultado do número de pessoas que sãoinfectadase das suasvulnerabilidades", acrescentou.

O jornal Daily Telegraph noticiou hoje que o governobritânico está prevendo uma segunda onda da pandemia de Covid-19 mais mortífera do que a primeira, com valores máximos diários mais baixos do que na primavera, quando chegou a ultrapassar mil óbitos por dia, mas durante um período mais longo.

Projeções feitas pelo Grupo de Aconselhamento Científico para Emergências [SAGE] sugerem que o país poderá registrar 500 mortes por dia ao longo de semanas ou meses, colocando pressão para o governo impor mais restrições sociais ou, eventualmente, um novoconfinamentonacional.

"Com as nossas medidasatuais, há poucos indícios de que haja tanto distanciamento social quanto havia quando reprimimos a primeira onda, portanto, sabemos que é significativo o risco de que os casos continuem a crescer", disseWalport.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que a região europeia foi responsável pela maior proporção de novasinfecções, pela segunda semana consecutiva, com mais de 1,3 milhões de casos ou cerca de 46% do total mundial.

A agência de saúde daONUtambém disse que as mortes também aumentaram cerca de 35% na Europa desde a semana anterior e que as hospitalizações e a ocupações de camas em cuidados intensivos devido àCovid-19 aumentaram em 21 países da Europa.

O primeiro-ministrobritânico, Boris Johnson, tinha prometido emjulhoum Natal com alguma "normalidade", mas o agravamento da situaçãoepidêmicalevou dois partidos de oposição a pedirem maior coordenação no combate à pandemia.

Devido ao sistema de governancia descentralizada do Reino Unido, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte desenvolveram as suas próprias regras para travar o novo coronavírus, enquanto que Johnson desenvolveu um sistema de restrições regionais que se aplicam apenas na Inglaterra.

O resultado é uma manta de retalhos de regulamentos que divergem entre as quatro nações ou mesmo entre cidades próximas.

Juntamente com o partido Aliança da Irlanda do Norte, o líder dos Liberais Democratas, EdDavey, defendeu uma "reunião das quatro nações para chegar a um acordo sobre um conjunto de orientações uniformes para o Natal que funcione para as famílias em todo o Reino Unido"

Mas o ministro do Ambiente, GeorgeEustice, respondeu ser "muito cedo" para saber quais serão as regras na altura, embora tenha admitido que "pode não ser possível reunir em grandes grupos como normalmente".

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo