quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Conheça seis polêmicas sobre Michel Temer

Nesta quarta-feira (31), o peemedebista tomou posse como presidente da República

© Marcos Corrêa/PR
Após cerimônia de posse da tarde desta quarta-feira (31) no Senado, Michel Temer passou da condição de interino a presidente da República efetivo. Em cargos eletivos desde 1986, ele foi eleito deputado federal pelo estado de São Paulo seis vezes antes de se tornar vice da agora ex-presidente Dilma Rousseff.

Entre as primeiras polêmicas de seu gestão ainda como interino, houve a convocação de um gabinete de ministros exclusivamente masculino e branco; a citaçãos em latim e o uso de mesóclises; e o patrimônio de Michelzinho, seu filho de sete anos. A revista Superinteressante listou outras curiosidades.

Temer escreveu um livro em que defende o impeachment de um vice-presidente
Em Elementos do Direito Constitucional, de 1982, Temer discorre sobre a possibilidade de um vice-presidente sofrer impeachment. O trecho se encontra no sexto capítulo da obra. "Quais as pessoas passíveis de responsabilização política? São: a) o Presidente da República (arts. 85 e 52, I) e o Vice-Presidente da República (art. 52, I); b) os Ministros de Estado e os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, nos crimes conexos com aqueles praticados pelo Presidente da República (art. 52, I); c) os Ministros do Supremo Tribunal Federal, o Procurador-Geral da República e o Advogado-Geral da União (art. 52, II)", defende Temer no livro.
Ele foi a favor da legalização do jogo do bicho
Na época em que era Secretário de Segurança Pública de São Paulo, Temer defendeu a regulamentação do jogo do bicho. "Eu não vejo razão para deixar de lutar pela legalização do jogo", afirmou em depoimento à Comissão Especial de Inquérito da Assembleia Legislativa do Estado em 1984.
Temer tem cinco filhos, mas não gosta de trocar fraldas
Numa entrevista à revista Rolling Stone, em 2009, o agora presidente falou sobre sua vida íntima: "[Eu, e Marcela] temos um filho de quase 2 meses. Já tenho três filhas e quatro netos. Tenho um filho, que hoje tem uns 10, 11 anos, de uma relação que mantive durante certo período, e a quem eu prestigio. Mas estou vivendo o dia-a-dia, a mudança da rotina da casa", disse ele. O repórter perguntou se ele trocava fraldas, e ele respondeu que "não chegava a tanto".
Ele quis criar o "Dia Nacional do Vencedor" quando era deputado
Em 1986, Temer foi eleito como suplente na Câmara. Ainda assim, propôs a PL 1658/1989, um projeto de lei que visava a criação do Dia Nacional do Vencedor. Porém, no ano seguinte, o projeto foi rejeitado pelo plenário da casa, assim como pela Mesa Diretora. Em 22 anos de Câmara, Temer propôs 22 projetos de lei, segundo o site da Casa.
O presidente teve diversos cargos políticos
Temer iniciou a carreira em 1982 como procurador geral do Estado de São Paulo no governo de Franco Montoro, do PSDB. Dois anos depois, assumiu a secretaria de Segurança do estado. Em 1986 foi eleitou deputado federal, e se tornou presidente da Câmara em 1995. Na época, teve conflitos com Fernando Henrique Cardoso - também do PSDB. Em 2004, revelou que seria vice de Luiza Erundina (PSB), hoje PSOL, para a disputa da prefeitura de capital paulista. Seis anos depois, se tornou vice de Dilma (PT). Hoje é presidente.
Ele tem ficha suja
Apesar de ter assumido a presidência, ele está inelegível. Em maio deste ano, Temer foi condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo por ter doado mais dinheiro a campanhas do que é permitido por lei. Com isso, ele se virou ficha suja e não pode se candidatar a cargos públicos nos próximos oito anos.

Orçamento prevê salário mínimo de R$ 945,80 em 2017

Valor consta do projeto do Orçamento Geral da União de 2017, enviado hoje (31) pelo governo ao Congresso Nacional

© DR
O salário mínimo para o ano que vem ficará em R$ 945,80, anunciou há pouco o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira. O valor consta do projeto do Orçamento Geral da União de 2017, enviado hoje (31) pelo governo ao Congresso Nacional.

A proposta foi entregue por Oliveira e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, ao presidente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB-AL). O texto foi enviado ao Congresso logo após a cerimônia de posse do presidente Michel Temer, no Senado.
Os demais parâmetros para a economia no próximo ano, que haviam sido divulgados pela equipe econômica no último dia 17, foram mantidos. A estimativa de inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 4,8% para 2017.
A previsão para o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos em um país) ficou em 1,6%. O projeto prevê taxa de câmbio média de R$ 3,40 no dólar para o próximo ano, contra R$ 3,50 em 2015, e de taxa Selic (juros básicos da economia) acumulada de 12,1% ao ano em 2017, contra 14% neste ano. Com informações da Agência Brasil.

Vazamento de amônia em indústria deixa 1 morto e 30 feridos em Barretos

O inquérito do Ministério Público do Trabalho concluiu que o vazamento foi causado por uma falha mecânica do resfriamento de água

© Reprodução TV Globo
Uma pessoa morreu e 30 ficaram feridas após um vazamento de amônia no frigorífico Minerva, em Barretos (a 423 km de São Paulo), na manhã desta quarta-feira (31).

O frigorífico, que fica na zona rural da cidade, foi evacuado após o acidente. As causas ainda são desconhecidas, mas uma das suspeitas é que a amônia, que é tóxica, tenha vazado após uma explosão numa câmara frigorífica.
Os feridos, com sintomas como falta de ar, vômito e dor de cabeça, foram encaminhados à Santa Casa de Barretos e à UPA (Unidade de Pronto-Atendimento) da cidade.
De acordo com a Santa Casa, foram atendidas 21 vítimas na unidade hospitalar, das quais quatro já receberam alta. As demais encontram-se internadas em observação, com quadro estável e sem risco de morte. O nome do funcionário que morreu não foi divulgado.
Ainda segundo o hospital, as famílias dos empregados envolvidos com o acidente estão sendo recebidas numa sala separada, com atendimento de psicólogos e assistentes sociais.
Na UPA, de acordo com a prefeitura, foram atendidas outras nove pessoas, com quadro de comprometimento respiratório.
Não é o primeiro episódio envolvendo vazamento de amônia e o frigorífico. Em março de 2013, o Minerva foi condenado pela Justiça do Trabalho de Araraquara a pagar R$ 200 mil por danos morais coletivos devido a irregularidades após vazamento de amônia ocorrido no ano anterior. A empresa alegou à época que ninguém foi intoxicado.
O inquérito do Ministério Público do Trabalho concluiu que o vazamento foi causado por uma falha mecânica do resfriamento de água.
A empresa, que também respondia a uma outra ação civil pública em Araraquara por não realizar o controle de vazamentos de amônia, firmou acordo judicial com o MPT em 2014, no valor de R$ 750 mil, para extinguir as ações.
Nas ações protocoladas, a Promotoria fez referência a casos de vazamentos que resultaram em acidentes com graves consequências à saúde dos trabalhadores em Goiás, Minas Gerais e São Paulo.
CONTIDO
A Minerva Foods informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o vazamento de amônia em Barretos já foi contido e que está "fornecendo todo o apoio necessário aos seus colaboradores".
Ainda de acordo com a assessoria, não há mais detalhes sobre o incidente, a empresa prima pelo cumprimento das normas de segurança e o atendimento às pessoas está sendo priorizado. Com informações da Folhapress.

Mídia internacional repercute 'fim de era' Dilma Rousseff

Jornais citam 'fim de era' com saída da petista

© Reprodução The Guardian
A imprensa internacional deu um grande destaque a destituição da presidente Dilma Rousseff pelo Senado nesta quarta-feira (31) e o juramento do novo mandatário, Michel Temer.   

O jornal norte-americano "The Washington Post" informou que o Senado votou com maioria "esmagadora" pela saída de Dilma, sendo o ponto final de "um longo processo que dividiu o país". O "The New York Times" citou que os senadores brasileiros "expulsaram" a então presidente "O Senado cassou Dilma Rousseff, primeira mulher presidente do Brasil, e a tirou do escritório para o resto do seu mandato, a pedra angular de uma luta de poder que consumiu a nação durante meses e derrubou um dos mais poderosos poderosos partidos políticos do hemisfério", ressaltou.   
O italiano "La Repubblica" explicou para seus leitores sobre a votação desta quarta-feira e disse que "Rousseff deixa assim definitivamente o cargo e a principal economia latino-americana, que muda de líder: Michel Temer assumirá como o 37º presidente da República brasileira".   
O "Corriere della Sera" ressaltou a votação e a manutenção dos direitos políticos de Dilma e lembrou que Temer "guiará o Brasil até o fim de 2018, quando ocorrerão as próximas eleições presidenciais".   
O site do jornal britânico "The Guardian" fez um série de matérias para explicar todo o processo de impeachment e disse que "a primeira mulher presidente do Brasil" foi afastada e pôs fim "aos 13 anos do poder do Partido dos Trabalhadores".   
Já o francês "Le Monde" citou que o julgamento final "foi uma maratona de dezenas de horas de debate técnico e apaixonado" e fez um perfil de Michel Temer, destacando que ele é "tão impopular quanto sua antecessora" e citando que a posse terá que "ser rápida" porque ele viajará para a China para participar do G20.   
Com o título de "Dilma deposta definitivamente", o espanhol "El País" citou que a saída da presidente "culmina assim a mudança de governo mais traumática e esquizofrênica das últimas décadas".   
O jornal argentino "Clarín" destacou que "chegou ao fim uma era", lembrando o fim do ciclo dos presidentes do Partido dos Trabalhadores (PT) no Brasil.   
"Dilma Rousseff, a quarta presidente em 31 anos de democracia, foi definitivamente afastada do governo. Mesmo com os alertas realizados pela atual oposição de que está perante a um 'golpe parlamentário', 61 senadores votaram a favor de sua saída.   
Bastavam 54", disse o jornal. Com diversas matérias em sua capa, o também argentino "La Nación" afirmou que "após nove meses de um polêmico, intenso e dramático processo de impeachment, o Senado do Brasil aprovou por 61 votos a 20 a destituição". O portal ainda destacou que o país "segue em recessão" econômica e fez uma trajetória política de Dilma Rousseff. (ANSA)

Interrupção de energia no sistema de Furnas causa transtornos no Rio

O restabelecimento do fornecimento “depende de autorização do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS)”, informou a concessionária

© PixaBay
A interrupção no fornecimento de energia na tarde desta quarta-feira (31) em trechos de municípios da Baixada Fluminense e na zona norte do Rio deixou vários bairros às escuras. O problema ocorreu por volta das 15h e, segundo a concessionária de energia Light, o problema ocorreu por causa de uma falha no sistema de Furnas Centrais Elétricas. O restabelecimento do fornecimento “depende de autorização do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS)”, informou a concessionária.
Os trens da Linha 2 do Metrô também foram afetados pela falta de energia. A concessionária Metrô Rio informou que, entre 15h05 e 15h34, foi afetado o trecho entre Vicente de Carvalho e Pavuna. Nesse período, os trens circularam apenas entre Botafogo e Maria da Graça. Com o restabelecimento do sistema, a Linha 2, ligando Botafogo à Pavuna, voltou ao normal.
O mesmo ocorreu com o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) no trecho total entre a Rodoviária Novo Rio e o Aeroporto Santos Dumont. O sistema ficou paralisado por menos de uma hora, também devido ao problema de fornecimento de energia.
Recomposição
O Operador Nacional do Sistema Elétrico informou que às 14h54 ocorreu o desligamento automático de duas linhas de transmissão em 500 kV, de Furnas, em Adrianópolis, Nova Iguaçu.
Em nota, o ONS informou que, em sequência, ocorreram desligamentos em diversos circuitos da rede de operação em 138kV, pertencentes às distribuidoras de energia Light e Ampla.
Com isso, houve a interrupção de cerca de 2,3 mil MW de carga (cerca de 37% da carga total do Estado do Rio de Janeiro no momento, 6,1 mil MW). Segundo informações preliminares, foram atingidos consumidores das regiões dos lagos, norte e noroeste fluminense e alguns bairros da capital.
Desligamento
A partir das 15h11 foi iniciada a recomposição das linhas de 500 KV, terminando às 15h16. A recomposição das cargas pelas distribuidoras está em andamento, com a carga do Estado já tendo alcançado 5,5 mil MW, às 16h30. O ONS se reunirá com os agentes envolvidos para analisar a ocorrência.
Em comunicado, Furnas afirmou que houve o desligamento às 14h54 das linhas de transmissão Adrianópolis - São José e Angra - São José, de 500 kV, que alimentam a subestação São José.
“As referidas linhas foram desligadas automaticamente pela atuação correta do sistema de proteção de falhas e foram reenergizadas às 15h11 e 15h16, respectivamente. A equipe técnica da empresa apura as causas da ocorrência neste momento.".

Após impeachment, Equador e Bolívia vão chamar embaixadores

“Se prosperar o golpe parlamentar contra o governo democrático de Dilma, a Bolívia convocará seu embaixador. Defendamos a democracia e a paz".

© Reuters
Após a aprovação do impeachment de Dilma Rousseff, o presidente do Equador, Rafael Correa, disse hoje (31) que vai chamar de volta o representante do país no Brasil. A informação foi divulgada por meio de seu perfil no Twitter.

“Destituíram Dilma. Uma apologia ao abuso e à traição. Retiraremos nosso encarregado da embaixada. Jamais compactuaremos com essas práticas, que nos recordam as horas mais obscuras de nossa América. Toda a nossa solidariedade à companheira Dilma, a Lula e a todo o povo brasileiro. Até a vitória sempre!”
Também por meio das redes sociais, o presidente da Bolívia, Evo Morales, já havia dito que chamaria seu representante no Brasil de volta, caso o impeachment de Dilma fosse aprovado no Senado Federal. No Twitter, ele escreveu:
“Se prosperar o golpe parlamentar contra o governo democrático de Dilma, a Bolívia convocará seu embaixador. Defendamos a democracia e a paz.”
Resultado
Por 61 votos a 20, o plenário do Senado decidiu pelo impeachment de Dilma. Não houve abstenção. A posse de Michel Temer ocorrerá às 16h.
Depois de aprovar a perda do mandato, o Senado manteve, por 42 votos a 36, os direitos políticos de Dilma. Com isso, ela pode ocupar cargo público. Foram registradas três abstenções. Com informações da Agência Brasil.

Após mais de 50 anos, Cuba e EUA retomam voos comerciais

Medida ajudará uma das maiores fontes de renda da ilha, o turismo

© Divulgação
Foram retomados nesta quarta-feira, dia 31, os voos comerciais entre Estados Unidos e Cuba, após mais de meio de século de suspensão.

O voo 387, da companhia aérea JetBlue, deu início a uma nova era nas relações bilaterais, sendo o primeiro de uma média de 300 viagens semanais.
O avião, que deixou a cidade de Fort Lauderdale, na Flórida, pousou no aeroporto de Santa Clara, a cerca de 300 km da capital, Havana, após pouco mais de uma hora de viagem.
Houve festa no aeroporto norte-americano, onde os passageiros embarcaram em meio a aplausos e lágrimas. Além disso, foram hasteadas as bandeiras dos dois países, enquanto uma banda tocava músicas tradicionais cubanas.
Segundo representantes da JetBlue, o piloto e diversos membros da tripulação são de ascendência cubana e se emocionaram com o voo.
Histórico - A volta dos voos comerciais é uma das mais importantes medidas tomadas desde que os países anunciaram a retomada de relações em dezembro de 2014, após mais de 50 anos de desavenças políticas. Até recentemente, norte-americanos e cubanos que precisavam ir a Cuba viajavam em aviões fretados, que eram, além de caros, muito difíceis de agendar. A medida deve ajudar uma das maiores fontes de renda da ilha, o turismo.(ANSA)

Homem é preso suspeito de chantagear vítimas de vídeos íntimos vazados

Isaías era dono da lan house onde as extorsões ocorriam e oferecia sua conta bancária para que as vítimas depositassem a quantia exigida

© DR
Nesta terça-feira (30), agentes da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) prenderam um homem suspeito de extorquir pessoas para não divulgar vídeos íntimos na internet.

De acordo com os policiais, Isaías Rodrigues Barbosa, de 30 anos, fingia ser alguma celebridade para conseguir as imagens. Ema das ocasições, o suspeito fingiu ser o jogador de futebol Neymar.
Segundo informações do Extra, Isaías era dono da lan house onde as extorsões ocorriam e oferecia sua conta bancária para que as vítimas depositassem a quantia exigida.
A polícia ainda identificou outro homem suspeito de agir como cúmplice no esquema de extorsão. Ambos tiveram prisão decretada pela Justiça.
"No computador apreendido foram encontrados diversos vídeos de vítimas. Só aqui na delegacia existem cinco vítimas desses mesmos autores", disse a delegada Daniela Terra, titular da DRCI.
A delegada afirmou ainda que outros cinco suspeitos que agiam da mesma forma, já foram identificados pela DRCI.
"Essa modalidade de crime está mais presente atualmente porque a cada dia mais pessoas têm acesso a plataformas de redes quase que totalmente globalizadas. A prevenção está diretamente ligada à conscientização das pessoas das consequências da exposição", destacou Daniela.

Operação desarticula quadrilhas de tráfico internacional de drogas

Supostos líderes de organizações criminosas do Paraná, Mato Grosso do Sul e Pernambuco foram detidos pela corporação. Dois suspeitos estão foragidos

© Divulgação
Uma rota internacional de tráfico de maconha, cocaína e armas de uso restrito foi alvo da Operação Minotauro, da Polícia Federal (PF) em Pernambuco, na manhã de hoje (31). Supostos líderes de organizações criminosas do Paraná, Mato Grosso do Sul e Pernambuco foram detidos pela corporação. Dois suspeitos estão foragidos.

As três organizações investigadas são independentes, mas estavam ligadas por relações comerciais, de acordo com a PF. Os grupos do Matro Grosso do Sul e do Paraná seriam responsáveis por atravessar as encomendas feitas previamente pela fronteira com o Paraguai. Já os investigados de Pernambuco faziam os pedidos, recebiam as drogas e distribuíam no estado e também para outras unidades da federação, como Paraíba e Rio Grande do Norte.
“A droga é transportada pelo país em caminhões com cargas lícitas. Eles preparam compartimentos falsos. Em uma abordagem sem preparação de inteligência a polícia dificilmente consegue interceptar”, detalhou Adriana Vasconcelos, delegada chefe da Operação Minotauro.
Durante as investigações, também surgiram informações superficiais sobre o uso de métodos violentos para intimidar autoridades policiais e concorrentes. “Vários contatos foram interceptados em que eles comentam as práticas, tanto de tentativas graves de homicídio como frases 'Policial tem que morrer, bonde tem que ficar pesado'. Os comentários são superficiais, não foi possível identificar os alvos, mas se percebe a adoção da violência como prática dessas organizações”, revela Vasconcelos.
Desde a madrugada de hoje, 130 policiais federais cumpriram 12 mandados de prisão (10 preventivas e duas temporárias): cinco no Paraná, três em Pernambuco, um no Mato Grosso do Sul, um na Paraíba e dois na Bahia.
Outros 21 mandados de busca e apreensão foram cumpridos em cinco estados: Pernambuco, Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Santa Catarina. Os mandados foram expedidos pela 13ª Vara Federal. A Justiça também determinou o sequestro de bens e bloqueio de contas bancárias. Foram apreendidas duas caminhonetes S-10, um Jeta, um Land Rover, um Gol, uma Hilux, um Ônix e uma motocicleta Honda Hornet CB600, que juntos somam aproximadamente R$ 500 mil.
Quatro conduções coercitivas destinadas a pessoas supostamente relacionadas à lavagem de dinheiro do comércio ilícito também constam na operação. Entre os alvos de condução coercitiva estão titulares de contas bancárias de pessoas físicas e jurídicas que faziam transações altas que estariam ligadas ao tráfico. Pelo menos duas empresas são investigadas por participar do esquema: uma de fomento e uma de transporte. Os estabelecimentos estão localizados em Ribeirão Preto (SP), que seria usado pela organização do Mato Grosso do Sul; e no Paraná, ligada ao grupo do estado.
Cooperação interncional
O superintendente da PF em Pernambuco, Marcello Diniz Cordeiro, adiantou que todas as informações coletadas pela corporação serão compartilhadas com os países de onde se suspeita que venham as substâncias, como o Peru e o próprio Paraguai, também acionado por causa da passagem das drogas por sua fronteira. “Há uma divisão de dados de inteligências para vários países. O campo é grande, envolve várias agências internacionais”, completa.
No Brasil, os suspeitos serão responsabilizados criminalmente pela prática de associação e tráfico internacional de drogas, lavagem de dinheiro e por constituir/integrar organização criminosa, além da posse de armas de uso restrito, já que armamentos foram apreendidos hoje – como uma AK-47 e uma pistola 9 mm.
Os presos em Pernambuco serão encaminhados ao Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (COTEL). Os investigados detidos em outros estados serão interrogados na unidade da Polícia Federal correspondente e depois alguns deles seguem transferidos para Pernambuco.
Origem
As investigações começaram em 2015, com a identificação de remessa de 1.257 quilos (kg) de maconha de origem paraguaia, enviada a Pernambuco pela organização estabelecida no Paraná. No curso das investigações foram apreendidas aproximadamente quatro toneladas de maconha nos estados de Minas Gerais, em setembro de 2015; Alagoas em novembro do mesmo ano; Pernambuco em março de 2016 e no Paraná em maio deste ano.
A delegada que chefiou a operação, Adriana Vasconcelos, explicou que apesar da organização do Paraná trabalhar “intensamente” com o tráfico de cocaína e crack, o principal produto enviado ao Nordeste era maconha. “A gente atribui a isso as carcaterísticas do mercado local. Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, a demanda maior é pela maconha. A cocaína que chega aqui em Pernambuco é destinada, em grande parte, ao mercado internacional, que sai em direção à Europa”.
A apreensão de cocaína no curso da investigação foi de 20 quilos, no total. Com informações da Agência Brasil.

Operação da PM deixa quatro mortos na zona oeste do Rio

Entre os quatro mortos estaria Jeremias Ezequiel Faustino de Paula, o "Jerê", suspeito de ser chefe do tráfico local

© DR
Quatros pessoas foram mortas na manhã desta quarta (31) durante uma operação da Polícia Militar na Favela do Rola, na zona oeste da cidade.

Entre os quatro mortos estaria Jeremias Ezequiel Faustino de Paula, o "Jerê", suspeito de ser chefe do tráfico local. Ele teria sido baleado junto com três outros homens não identificados. Os quatros foram levados para o Hospital Pedro II, em Santa Cruz, mas nenhum deles resistiu aos ferimentos.
Em protesto contra as mortes, moradores da comunidade interditaram a Avenida Cesário de Melo e colocaram fogo em pneus e pedaços de madeira.
Segundo a Polícia Militar, policiais do 27º Batalhão chegaram à comunidade do bairro de Santa Cruz por volta das 5h da manhã. Houve um conflito e troca de tiros com moradores que pertenceriam ao tráfico de drogas, segundo a corporação.
Durante a ação foram apreendidos um fuzil AK-47, duas pistolas, uma granada e drogas. A quantidade de entorpecentes ainda não foi contabiliza pelos policiais.
A PM informou que reforçou a segurança nas estações do BRT da avenida interditada após os protestos e informou que "a situação na região está sob controle". Com informações da Folhapress.

Polícia Civil identifica carro usado em execução de coronel da PM

Imagens de câmeras de seguranças flagraram um Jeep Renegade, ainda com a placa de uma concessionário do Rio, parando atrás do veículo onde os policiais estavam

© REPRODUÇÃO
A especializada de homicídios da Polícia Civil de Niterói identificou o veículo que supostamente participou do ataque que vitimou o coronel Ivanir Linhares Fernandes Filho, de 49 anos, e feriu o sargento Luiz Cláudio Carvalho da Silva, de 44, na manhã desta quarta-feira (31).

© REPRODUÇÃO
Segundo informações do Extra, imagens de câmeras de seguranças flagraram um Jeep Renegade, ainda com a placa de uma concessionário do Rio, parando atrás do veículo onde os policiais estavam.
"Temos duas imagens de câmeras de segurança. Uma delas mostra o carro parando atrás do veículo onde os policiais estavam. Um homem atira. Nesta não é possível ver a placa. Mas conseguimos uma outra, que mostra um veiculo semelhante, em alta velocidade. Nesta, identificamos a placa", explica o delegado da DH, Fábio Barucke.
De acordo com o delegado, as imagens dão a entender que o atentado era direcionado ao Sargento, já que os atiradores aguardam que ele retorne de uma loja até o carro, onde o coronel esperava, para iniciar os disparos.
"O coronel estava desarmado. Já o sargento tinha uma pistola 380 com um carregador especial para 17 balas. Havia apenas 14, o que pode indicar que ele chegou a revidar a agressão", afirma Barucke.
De acordo com a polícia, o Gol utilizado pelos policiais possuiam 17 perfurações de bala.

EUA começa a estudar sinal 'alienígena' captado por russos

A equipe russa de astrônomos recebeu o sinal no ano passado. É sabido que ele veio de um sistema de estrelas que fica 94 anos-luz da Terra

© Dr
A organização norte-americana de pesquisa SETI, que busca inteligência extraterrestre, começou a estudar o sinal de rádio incomum pegado por astrônomos russos no ano passado, relata a Reuters.

O sinal pode não ter sido enviado por uma civilização extraterrestre, mas os cientistas vão verificar esta versão também. A equipe russa de astrônomos recebeu o sinal no ano passado. É sabido que ele veio de um sistema de estrelas que fica 94 anos-luz da Terra.
De acordo com o diretor da SETI Seth Shostak, muito provavelmente o sinal teve origem em "um choque de placas continentais" ou foi provocado por satélite natural, que é uma ocorrência comum. Ele também apontou que, se os astrônomos russos tivessem acreditado que eles tinham recebido um sinal extraterrestre, teriam relatado mais cedo.
"Eles não disseram nada sobre isso há mais de um ano. Se nós tivéssemos recebido o sinal, teríamos verificado e enviado a informação a outros astrônomos para que eles também a verificassem", disse Shostak.
No entanto, os astrônomos da SETI, usando vários telescópios, passaram as últimas duas noites estudando o sistema HD 164595, que tem apenas um planeta conhecido em órbita. De acordo com Shostak, os cientistas não detectaram quaisquer sinais incomuns. Com informações do Sputnik Brasil.

DEM e PSDB desistem de ir ao STF contra habilitação de Dilma

A avaliação dos dirigentes dessas siglas é que, uma ação na corte contra parte do desfecho do impeachment poderia "dar uma brecha" para que o Judiciário reavaliasse todo o processo

© Folhapress
As cúpulas do PSDB e do DEM decidiram, em reunião logo após o fim da sessão que cassou o mandato de Dilma Rousseff, rever a estratégia de recorrer ao STF (Supremo Tribunal Federal) contra a decisão que manteve a habilitação da petista para ocupar cargos públicos.

A avaliação dos dirigentes dessas siglas é que, uma ação na corte contra parte do desfecho do impeachment poderia "dar uma brecha" para que o Judiciário reavaliasse todo o processo, lançando nova frente de instabilidade sobre o governo Michel Temer.
Publicamente, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), Aloysio Nunes (PSDB-SP) e Agripino Maia (DEM-RN) já descartaram uma ação de seus partidos na Justiça.
Mais cedo, o ministro do Supremo, Ricardo Lewandowski que presidiu a sessão do impeachment, decidiu acatar pedido da defesa da petista e fazer duas votações sobre o desfecho de Dilma, a primeira sobre a cassação de seu mandato - que foi aprovada- e a segunda sobre a proibição de que ela ocupasse cargos públicos - que foi rejeitada.
A articulação que possibilitou a nomeação de Dilma para funções públicas foi protagonizada pelo PT e por integrantes do PMDB, partido de Michel Temer, como o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).
O envolvimento de peemedebistas no caso irritou profundamente integrantes do PSDB e do DEM, que se sentiram traídos. Mais tarde, Agripino minimizou o mal estar. Disse que a reação dos colegas, que ameaçaram até romper com o governo, foi fruto do "calor do momento". Com informações da Folhapress.

Para Maia, votação sobre direitos de Dilma pode beneficiar Cunha

"Se formos usar a mesma decisão do presidente [Ricardo] Lewandowski, muda o processo de cassação de qualquer um, do Eduardo ou de qualquer um que venha depois", disse presidente da Câmara

© Folhapress
Ponderando que, em seu entendimento, a Câmara não é obrigada a seguir o mesmo rito do Senado, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quarta-feira (31) que a decisão de manter as funções políticas de Dilma Rousseff pode beneficiar o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) quando for votada a cassação do mandato do peemedebista.

"Se formos usar a mesma decisão do presidente [Ricardo] Lewandowski, muda o processo de cassação de qualquer um, do Eduardo ou de qualquer um que venha depois", afirmou Rodrigo Maia.
O presidente da Câmara explicou que, ao analisar cassação de mandatos, os deputados sempre votaram o parecer aprovado pelo Conselho de Ética que decidiu pelo afastamento do parlamentar.
Contudo, ao dar aval para que a defesa de Dilma apresentasse um destaque à peça que a retirou em definitivo do mandato, o libelo da acusação, Lewandowski tratou o documento como se fosse um projeto de lei.
"Fiquei preocupado porque ele cita muitas vezes o regimento da Câmara e cita que está votando uma proposição. Por isso houve o destaque e suprimiu-se parte do texto, o que no caso das cassações não era possível", afirmou o deputado, que ainda completou: "A decisão abriu um precedente para que se vote uma proposição. Significa votar um projeto de resolução ao invés de votar o parecer, pode abrir espaço pra isso."
A ideia de votar um projeto de resolução já vem sendo cogitada por aliados de Eduardo Cunha há semanas. Anteriormente, Maia havia rejeitado a proposta, alegando que seguiria, na deliberação do caso do peemedebista, o mesmo rito adotado em casos anteriores.
Com a votação de um projeto no lugar do parecer pela cassação, "cunhistas" imaginam apresentar emendas, de forma que a punição do aliado seja abrandada. No lugar de cassar o mandato, imaginam ter chances de apenas suspender Cunha do cargo, o que o manteria com foro privilegiado e, portanto, julgado pelo Supremo.
O presidente da Câmara teme ser acusado de beneficiar Cunha. Já tem sofrido ataques por ter agendado a votação para 12 de setembro, uma segunda-feira, dia em que, historicamente, há quorum baixíssimo na Casa.
Por isso, o deputado afirmou ainda que a decisão de seguir, ou não, o rito adotado no julgamento de Dilma no caso de cassação no plenário será avaliado em conjunto. Ele vai procurar a assessoria técnica da Casa, conversar com advogados e, também, com deputados.
"Uma sessão de processo de impedimento presidida por um presidente do Supremo é claro que tem uma força diferente de uma decisão estritamente política. Óbvio que a responsabilidade de matérias tão polêmicas não podem ser exclusivas de uma pessoa, por mais que, em alguns momentos, o regimento permita. Não tenho a clareza de que o Senado contamina a Câmara em suas decisões, apesar de que, o que foi feito hoje, abre precedente, em tese pode abrir. Decidirei até a data da votação". Com informações da Folhapress.

Tribunal rejeita recurso da defesa de Lula na Lava Jato

Adovgados do petista havima impetrado agravo regimental por suposto relacionamento entre o juiz federal Sérgio Moro e o desembargador federal João Pedro Gebran Neto

© Estadao Conteudo
A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) negou nesta quarta-feira, 31, por unanimidade, recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A defesa do petista havia impetrado agravo regimental contra decisão que não conheceu pedido de esclarecimento acerca de eventual relacionamento pessoal entre o juiz federal Sérgio Moro e o desembargador federal João Pedro Gebran Neto, responsável pelos processos da Operação Lava Jato no tribunal. Segundo o TRF-4, o agravo regimental não é o recurso correto para este tipo de questionamento, mas sim a exceção de suspeição criminal.

No início de julho, a defesa de Lula anexou petição na qual pedia informações acerca de uma possível relação pessoal próxima entre os julgadores de primeiro e segundo graus. Gebran não conheceu o pedido, entendendo que o meio processual usado não era o adequado. A defesa ingressou com agravo regimental requerendo a reconsideração da decisão.
Segundo a turma, a arguição da suspeição ou do impedimento do julgador deve ser feita pela via da exceção, ou seja, pelo recurso que leva o nome de Exceção de Suspeição Criminal, meio não utilizado pela defesa.
"Havendo qualquer dúvida quanto à parcialidade do relator, deve a parte interessada externá-la pelo meio apropriado, juntando elementos que sustentem a sua alegação, sob pena de se tratarem de vazias alegações", escreveu Gebran em seu voto.
O desembargador ressaltou que não se trata de negativa de jurisdição, mas apenas observância aos ritos estabelecidos pela Lei Processual Penal para que os pedidos dessa natureza sejam apreciados pelo Judiciário.
A Exceção de Suspeição Criminal é um instrumento processual que permite à parte pedir a suspeição do juiz pelas causas apontadas no artigo 135 do Código de Processo Penal. No caso dos autos, a defesa apenas anexou petição ao processo pedindo esclarecimentos por parte do desembargador João Pedro Gebran Neto a respeito da natureza de sua relação com o juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba Sérgio Moro. Com informações do Estadão Conteúdo.

Parlamentares da mesa de posse de Temer têm 76 ações judiciais

Dos cinco convidados pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, apenas a deputada Mara Gabrilli não responde a processos

© Marcos Corrêa/PR
Dos seis parlamentares que integraram a mesa de Michel Temer durante sua cerimônia de posse no cargo de presidente da República, na tarde desta quinta-feira (31), cinco respondem a ações judiciais. As informações são da Agência Lupa.

O presidente do Senado, Renan Calheiros, convidou outros cinco parlamentares para a mesa: os deputados federais Mara Gabrilli (PSDB-SP), Rodrigo Maia (DEM-RJ), Beto Mansur (PRB-SP), Waldir Maranhão (PP-MA) e o senador Romero Jucá (PMDB-RR). Também estavam presentes do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.
Entre os parlamentares, apenas a deputada Mara Gabrilli não tem ocorrências. Mansur, o 'campeão', tem 54 ações - ele foi condenado em primeira instância por manter trabalhadores em condições análogas à de escravidão; foi condenado a devolver dinheiro público por contrato sem licitação enquanto era prefeito de Santos (SP) e teve prestações de contas da eleições de 2010 reprovadas, entre outros.
O anfitrião, Renan Calheiros, tem nove ocorrências, por suposto envolvimento naOperação Lava Jato e improbidade administrativa. Jucá é alvo de seis ações por crime de responsabilidade no STF, falsidade ideológica e participação na Lava Jato.
Waldir Maranhão também tem seis ocorrências, por crime de lavagem de dinheiro e envolvimento na Lava Jato. Ele teve as contas de 2010 reprovadas. Rodrigo Maia tem uma ocorrência referente ao exercício financeiro de 2010, por irregularidades na aplicação do Fundo Partidário.

Dilma sofre impeachment, mas ainda pode exercer função pública

Com a concretização do impeachment, o PMDB chega mais uma vez à Presidência de forma indireta

© Roberto Stuckert Filho / PR / Agência PT
A presidente Dilma Vana Rousseff foi afastada definitivamente do cargo de chefe de Estado do Brasil, nesta quarta-feira (31), após votação no senado federal. Ao todo foram 61 votos a favor, 20 contra e 0 senadores votaram nulo. Com a confirmação do impeachment, Temer tomará posse em solenidade no Congresso Nacional, ainda nesta quarta. 

Na sequência, foi votado se Dilma ficará ou não inabilitada para o exercício de funções públicas por oito anos. Por 42 votos favoráveis, 36 contrários e 3 abstenções, ficou decidido que Dilma poderá exercer função pública.
O agora presidente em exercício, pretende se pronunciar às 20h, para após isso, viajar para China, onde vai participar do encontro do G20 (grupo das maiores economias do mundo).
Com a concretização do impeachment, o PMDB chega mais uma vez à Presidência de forma indireta. A última vez que isso aconteceu foi em 1985, quando o então vice José Sarney assumiu após Tancredo Neves morrer antes de tomar posse.
A ex-presidente Dilma Rousseff fará declaração à imprensa após a decisão do Senado sobre o processo que pede seu afastamento definitivo do cargo.

Jean Wyllys 'rasga' seu título após impeachment de Dilma

O Senado Federal votou por 61 a 20 pelo impedimento da ex-presidente

© Reprodução Facebook
O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) postou há pouco uma foto de um título de eleitor rasgado, em protesto ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

O Senado Federal votou por 61 a 20 pelo impeachment de Dilma. Mesmo com a votação contra, Dilma conseguiu manter seus direitos políticos e não ficará inelegível por oito anos, como aconteceu com o também impedido em 1992 Fernando Collor. Leia abaixo sua mensagem:


Temer tem uma dívida comigo, diz Janaína Paschoal

Advogada mandou o recado pelo telefone de um assessor parlamentar do Senado para o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, um dos braços direito de Temer

© Geraldo Magela / Agência Senado
Após o fim da sessão que resultou no impeachment de Dilma Rousseff, a jurista Janaína Paschoal, uma das autoras do processo, enviou uma recado para o novo presidente, Michel Temer. "Ele tem uma dívida comigo. Ele me deve ser o maior presidente de todos os tempos", disse a advogada.

Janaína mandou o recado pelo telefone de um assessor parlamentar do Senado para o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, um dos braços direito de Temer. Ela disse não saber ao certo com quem estava falando no início.
A jurista comemorou o resultado do processo. "Eu sempre tive convicção de que o afastamento era justo, mas apenas hoje, durante a votação, é que percebi a magnitude do processo", afirmou.
Janaína concordou com a decisão do ministro Ricardo Lewandowski de separar as votações sobre a presidente. Durante a sessão, ele optou por fazer duas votações, uma que determinava o afastamento de Dilma do cargo de presidente e outra para decidir se suspendia as funções políticas da petista e seu direito de elegibilidade por oito anos. "Acredito que foi uma decisão justa, respaldada pelo que foi feito no processo de impeachment do ex-presidente Fernando Collor", disse.
Por outro lado, a jurista chamou de "compaixão" a decisão dos senadores de rejeitarem a perda das funções públicas de Dilma Rousseff. "Acho que ali no final, houve um ato de compaixão dos senadores. Houve um apelo, alguns falaram sobre seu salário de aposentadoria, sobre o impedimento de ser até mesmo professora", alegou.
Tietagem
A jurista foi uma das últimas a deixar o plenário do Senado. Todos os senadores já haviam saído quando restaram apenas ela e o colega de processo, o jurista Miguel Reale Jr. Janaína foi muito assediada por funcionários do Senado e chegou a tirar fotos com seguranças, equipe de notas taquigráficas, assessores parlamentares e outros membros da secretaria da Mesa Diretora do Senado Federal. Com informações do Estadão Conteúdo.
Topo