quinta-feira, 22 de outubro de 2020

'Não acredito que vacina chinesa transmita segurança pela sua origem', diz Bolsonaro

As declarações do presidente foram dadas em entrevista à rádio Jovem Pan


© Getty Images

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou na noite desta quarta-feira (21) que não acredita que a Coronavac -parceria entre a farmacêutica chinesa Sinovac e o Instituto Butantan- transmita credibilidade "pela sua origem" e usou como justificativa que "esse vírus [Covid-19] teria nascido" na China.


As declarações do presidente foram dadas em entrevista à rádio Jovem Pan e são um passo a mais na série de manifestações de Bolsonaro contra as pesquisas realizadas pela parceria sino-brasileira. Durante a quarta, ao determinar a suspensão de um protocolo de compra de 46 milhões de doses da Coronavac pelo Ministério da Saúde, Bolsonaro se referiu ao desenvolvimento da imunização como "a vacina chinesa de João Doria".

Governador de São Paulo, o tucano Doria é adversário político do presidente.

Na entrevista de quarta, foram novas críticas ao projeto e ao país asiático, com o argumento de que o veto teria sido motivado pela origem chinesa da farmacêutica. "Da China nós não comparemos, é decisão minha. Eu não acredito que ela [vacina] transmita segurança suficiente para a população pela sua origem", declarou o presidente.

Questionado sobre os motivos que levaram à decisão de barrar a compra da Coronavac, Bolsonaro responsabilizou novamente a China e disse que era uma questão de credibilidade.

"Acredito que teremos a vacina de outros países, até mesmo a nossa, que vai transmitir confiança para a população. A da China, lamentavelmente, já existe um descrédito muito grande por parte da população, até porque, como muitos dizem, esse vírus teria nascido lá", declarou.

Ao se referir a uma origem chinesa do vírus, Bolsonaro faz eco à ala mais ideológica de seus apoiadores, que responsabilizam Pequim pelo que consideram a pandemia de um "vírus chinês". O mesmo termo também é usado com frequência pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.


"Tenho certeza que outras vacinas que estão em estudo poderão ser comprovadas cientificamente. Não sei quando, pode durar anos inclusive. E nós também estamos trabalhando com o Butantan para conseguir a vacina", acrescentou o presidente.

Apesar da fala, o Butantan no momento mantém parceria apenas com a Sinovac para o desenvolvimento de uma vacina contra o coronavírus. Pelo acordo com a farmacêutica chinesa, parte das doses são desenvolvidas inteiramente na China, enquanto que o restante será produzido no instituto paulista, como parte de protocolos de transferência de tecnologia.


Quando anunciou o acordo para a aquisição de doses da Coronavac, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que "a vacina do Butantan será a vacina do Brasil"


"O Butantan já é o grande fabricante de vacinas para o Ministério da Saúde, produz 75% das vacinas que nós compramos", acrescentou o ministro na ocasião.


Bolsonaro desautorizou o chefe da Saúde na manhã de quarta, usou a palavra "traição" para o caso e disse que o governo não comprará o que chamou de "vacina chinesa".


"Tudo será esclarecido hoje. Tenha certeza, não compraremos vacina chinesa. Bom dia", respondeu Bolsonaro nas redes sociais a uma simpatizante.


"Para o meu governo, qualquer vacina, antes de ser disponibilizada à população, deverá ser comprovada cientificamente pelo Ministério da Saúde e certificada pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]", escreveu, em outra mensagem, nas redes sociais.

Em nota divulgada na terça (20), o Ministério da Saúde chegou a informar que, com a parceria com São Paulo, o Brasil chegaria a ter 186 milhões de doses de vacinas a serem disponibilizadas ainda no primeiro semestre de 2021, já a partir de janeiro.

O total considera as 46 milhões de doses do Butantan e Sinovac, além de contratos já existentes no governo para obter 140 milhões de doses -100 milhões da vacina da Universidade de Oxford e 40 milhões do mecanismo Covax Facility, liderado pela OMS (Organização Mundial de Saúde).
Mas o ministério voltou atrás após o veto de Bolsonaro.

Citando uma "interpretação equivocada" da fala de Pazuello, a pasta negou compromisso para compra de vacinas com o governo de São Paulo "ou seu governador" e disse não ter "intenção de compra de vacinas chinesas".E

m seguida, no entanto, reafirmou ter um protocolo de intenções para compra de uma possível "vacina brasileira" com o Instituto Butantan, que é vinculado ao governo paulista.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo