quarta-feira, 28 de abril de 2021

Covid-19 eleva risco de morte em 60% até seis meses após infecção

 


Os ex-doentes apresentavam igualmente um risco superior de desenvolver problemas de saúde mental, incluindo depressão, ansiedade e distúrbios do sono

© Shutterstock


Uma pesquisa recente, feita com base nos dados médicos de 73 mil pessoas nos Estados Unidos que haviam sido infectadas com o novo coronavírus SARS-CoV-2, sem precisarem de internamento hospitalar, revelou que esses doentes apresentavam um risco de morte significativamente superior, nomeadamente 60% maior, em comparação com pessoas que não haviam padecido da patologia, entre um a seis meses após contraírem o vírus.


Os investigadores também apuraram que os sobreviventes não hospitalizados de Covid-19 registravam uma probabilidade 20% mais elevada de necessitarem de cuidados médicos ambulatoriais durante esse período, relativamente a pessoas não infectadas, reporta um artigo publicado no site da BBC News.

De acordo com o novo estudo, baseado em dados clínicos de pacientes do sistema de saúde do Departamento de Assuntos de Veteranos dos Estados Unidos, quem sofreu da doença experienciou múltiplos problemas médicos a longo prazo. 

Mais ainda, esses sintomas não se limitaram a problemas pulmonares devido ao impacto do SARS-CoV-2 no trato respiratório, podendo ao invés afetar qualquer parte do organismo, desde neurológicos a cardiovasculares ou gastrointestinais, além de mal-estar, fadiga, dores musculares acentuadas e anemia.

Os ex-doentes apresentavam igualmente um risco superior de desenvolver problemas de saúde mental, incluindo depressão, ansiedade e distúrbios do sono.

Devido à incidência da Covid-19, verificou-se ainda um aumento na toma de vários fármacos por esses pacientes: "incluindo analgésicos (opioides e não opioides), antidepressivosansiolíticos, anti-hipertensivos e hipoglicemiantes orais e evidências de anormalidades laboratoriais em vários sistemas orgânicos", escreveram os cientistas no estudo, publicado na revista científica Nature.

"As manifestações clínicas agudas de COVID-19 são bem caracterizadas, no entanto, suas sequelas pós-agudas não foram descritas de forma abrangente", disseram os cientistas, liderados por Ziyad Al-Aly, chefe do serviço de pesquisa e desenvolvimento do Sistema de Saúde para Veteranos em St. Louis, no Missouri. 

"Os resultados fornecem um roteiro para informar o planejamento do sistema de saúde e o desenvolvimento de estratégias de cuidados multidisciplinares para reduzir a perda crônica de saúde entre os sobreviventes da Covid-19", acrescentaram.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo