quarta-feira, 29 de abril de 2020

Maioria dos países europeus começa em maio a levantar restrições

A Europa continua a ser a região do mundo mais afetada pelo novo coronavírus, com mais de 1,4 milhões de casos e 129.000 mortos.

© DR

A Espanha e a França, dois dos países europeus mais atingidos pela pandemia provocada pelo novo coronavírus, anunciaram os seus planos de reativação, fazendo de maio o mês em que a maioria dos europeus assiste ao levantamento gradual das restrições.


A Europa continua a ser a região do mundo mais afetada pelo novo coronavírus, com mais de 1,4 milhões de casos e 129.000 mortos, mas mesmo os países mais afetados apresentam sinais de que a curva de contágios atingiu o pico e começa a descer.
Segue-se uma lista dos países europeus que anunciaram o alívio de medidas impostas para conter a propagação do vírus, um desconfinamento gradual sujeito à consolidação da tendência de descida de contágios e ao respeito por regras como o distanciamento, a desinfecção dos locais ou o uso de máscara.
A lista está ordenada por país com mais casos de infecção para aquele com menos casos.
ESPANHA 
O plano de desconfinamento espanhol começa a 04 de maio e prolonga-se até ao final de junho, em quatro fases de duas semanas cada, aplicadas diferentemente consoante às regiões.
A "fase um" inicia-se a 04 de maio numa ilha das Baleares (Formentera) e três das Canárias (La Gomera, El Hierro e La Graciosa) e a 11 de maio começa a ser estendida ao resto do território espanhol, mediante a avaliação de vários critérios província a província.
Na primeira fase, reabrem os estabelecimentos que vendam comida para levar para casa e as esplanadas, com uma limitação de ocupação até 30%, com restrições de higiene e de distanciamento social e horários preferenciais para os grupos de risco.
As empresas de atendimento individual com marcação prévia (cabeleireiros, esteticistas, fisioterapia, psicoterapia, entre outros) e o pequeno comércio reabrem, com as mesmas restrições.
Hotéis e alojamentos turísticos podem reabrir, mas sem utilização de áreas comuns e ocupação limitada.
Igrejas e outros locais de culto funcionam, mas apenas com uma ocupação de um terço dos lugares.
Atletas profissionais e federados regressam aos treinos.
Na fase dois, bares e restaurantes vão poder reabrir os espaços interiores, assim como cinemas, monumentos, exposições e espetáculos com lotação inferior a 50 pessoas, todos limitados a um terço da capacidade.
Podem realizar-se espetáculos ao ar livre com uma lotação máxima de 400 pessoas sentadas a uma distância de dois metros.
Igrejas e outros locais de culto podem aumentar a ocupação para metade dos lugares.
Algumas escolas poderão reabrir, quer para crianças até seis anos cujos pais tenham ambos de regressar ao trabalho, quer para a realização de exames.
A generalidade do ensino, no entanto, apenas retomará a sua atividade em setembro.
Na "fase três", a mobilidade geral será mais flexível, as visitas a amigos e familiares passam a ser possíveis e os estabelecimentos podem elevar o número de clientes para 50% da capacidade.
Ônibus e trens poderão também aumentar o número de passageiros transportados.
A "fase quatro" será a de normalização gradual, mantendo-se a orientação de avaliar e avançar província a província.
Nas fases um, dois e três mantém-se a preferência pelo teletrabalho, assim como o uso de máscara obrigatório nos locais públicos e o respeito pela distância de segurança, continuando a serem proibidas as viagens para fora da província de residência por razões não-essenciais.
Em confinamento desde 14 de março, a Espanha é o país da Europa com mais casos de infecção pelo novo coronavírus e o segundo, depois de Itália, com mais mortes associadas à covid-19, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).
Com cerca de 46,9 milhões de habitantes, o país registra 212.917 casos e 24.275 mortos desde o início da pandemia, segundo números oficiais de hoje.
ITÁLIA 
Depois de mais de dois meses de rigoroso 'lockdown', Itália inicia a 04 de maio a "fase 2" de desconfinamento, com a reativação da atividade econômica, por fases, até junho.
Até agora a Itália teve como únicas medidas de alívio das restrições a reabertura, a 14 de abril, de livrarias, papelarias e lojas de roupa para bebê, e a retomada da atividade, a 27 de abril, da construção, fabrico de máquinas industriais e indústria automóvel.
A 18 de maio, as restantes lojas, os museus e as galerias vão poder reabrir.
Cabeleireiros e esteticistas reabrem apenas a 01 de junho, assim como restaurantes e bares, que podem todavia, a partir de 04 de maio, vender comida para fora.
As escolas vão continuar fechadas até setembro. A única exceção é a realização de exames do final do ensino secundário, em condições ainda a definir.
A partir de 04 de maio os italianos vão poder visitar familiares, com máscara, mas continuam a ser proibidas as festas e reuniões familiares.
Quaisquer deslocações estão limitadas à região de residência e sujeitas à apresentação de uma declaração indicando o destino e o motivo da saída.
As pessoas que ficaram bloqueadas no estrangeiro quando foi decretado o confinamento, a 09 de março, poderão regressar aos locais onde trabalhem ou estudem.
O uso de máscara, cujo preço por unidade foi limitado pelo governo a 50 cêntimos, é obrigatório nos transportes públicos.
Parques e jardins vão reabrir, mas as concentrações continuam proibidas.
Volta a ser possível praticar desporto ao ar livre, respeitando uma distância de dois metros entre pessoas, e passear, com uma distância de pelo menos um metro.
Os atletas de desportos individuais podem treinar em espaços fechados, mas os desportos coletivos só poderão ser retomados a 18 de maio.
Nenhuma das medidas de alívio se aplica a quem tenha sintomas de infecção, nomeadamente febre superior a 37,5, que deve informar o médico e ficar em casa.
As missas vão continuar proibidas, mas os funerais, limitados atualmente à presença de três familiares, podem realizar-se na presença de até 15 pessoas.
A Itália, com 60,36 milhões de habitantes, registrou a até terça-feira 201.505 casos e 27.359 mortos.
ALEMANHA
As escolas primárias e secundárias e os estabelecimentos comerciais com uma área de até 800 metros quadrados reabrem a 04 de maio.
Bibliotecas, arquivos e museus reabriram a 20 de abril, mas os eventos culturais e desportivos continuam proibidos, até pelo menos 31 de agosto.
Restaurantes, bares e 'pubs' permanecem fechados e celebrações religiosas em igrejas, sinagogas ou mesquitas proibidas.
Desde 27 de abril, é obrigatório uso de máscara nos transportes públicos na maioria dos estados federados e, desde hoje, em todos os estabelecimentos comerciais em Berlim.
Com cerca de 83 milhões de habitantes, a Alemanha registra 157.641 casos e 6.115 mortes, segundo número oficiais de hoje.
FRANÇA
A França inicia a 11 de maio o plano de desconfinamento, que se estende até 02 de junho, recomendando o uso de máscara e o teletrabalho e restringindo as deslocações.
O país está em confinamento desde 17 de março.
A partir de 11 de maio, os estabelecimentos comerciais, à exceção de cafés, bares e restaurantes, podem reabrir, com limites ao número de clientes e distância de um metro entre eles.
Só no final de maio haverá uma decisão sobre a reabertura dos estabelecimentos de restaurantes.
As creches e escolas pré-primárias reabrem também a 11 de maio, "numa base de voluntariado" e organizando a atividade em grupos de até 10 crianças nas creches e até 15 nas escolas primárias.
Será dada prioridade aos filhos de famílias monoparentais, de profissionais de saúde e professores, ou de pais que não possam trabalhar à distância.
Uma semana depois, a 18 de maio, reabrem as escolas básicas (dos 6 aos 15 anos) e só no final de maio será decidida a eventual reabertura das secundárias.
A maioria da população deixa de estar em confinamento, mas os maiores de 65 anos e os doentes crônicos são aconselhados a limitar as saídas ao essencial.
Os transportes públicos urbanos, fortemente limitados, podem aumentar de frequência a partir de 11 de maio, com a ocupação alternada de lugares e, nas horas de ponta, reservados a trabalhadores.
Continuam proibidas as deslocações para mais de 100 quilômetros de distância da residência, limitadas a motivos imperativos de natureza profissional ou familiar.
Volta a ser possível praticar desporto ao ar livre, mas os ginásios permanecerão fechados e estão proibidos todos os desportos de contato.
Pequenas mediatecas, bibliotecas e museus, em que seja possível respeitar as regras de segurança, podem ser reabertas. Mas grandes museus, cinemas e teatros vão continuar fechados.
As concentrações de mais de 10 pessoas, casamentos civis e celebrações religiosas continuam proibidos até 02 de junho.
Os cemitérios reabrem, mas nos funerais fica limitada a presença a 20 pessoas.
Os parques e jardins devem permanecer fechados nas regiões mais atingidas pelo vírus e as praias poderão reabrir em junho.
Grandes aglomerações que juntem mais de 5.000 pessoas só vão ser possíveis a partir de setembro, mantendo-se suspensos até lá o desporto profissional, festivais e salões profissionais.
O uso de máscaras é obrigatório nos transportes públicos e nas escolas, exceto nas crianças menores, assim como em atividades em que o distanciamento não seja possível, e recomendado nos restantes casos.
A França é, segundo a OMS, o quinto país europeu com mais casos, depois da Espanha, Itália, Alemanha e Reino Unido, e o terceiro com mais mortes, depois da Itália e Espanha.
O país, que tem uma população de 67 milhões, registra 129.859 casos e 23.660 mortos, segundo números oficiais de terça-feira.
BÉLGICA 
A Bélgica inicia a 04 de maio "um processo gradual de desconfinamento", sete semanas depois da implementação das restrições.
A primeira fase prevê o uso obrigatório de máscaras nos transportes públicos, para o que vai ser distribuída a cada cidadão uma máscara de pano e dois filtros e autorizada a reabertura de lojas de tecidos, para que seja possível confeccionar máscaras em casa.
O teletrabalho continuará a ser privilegiado para todas as empresas sem contato direto com o público, e todo o comércio que se encontra encerrado assim continuará.
A 11 de maio inicia-se a segunda parte da "fase 1" com a reabertura de todo o comércio, à exceção de restaurantes e bares.
A "fase 2" deverá arrancar em 18 de maio, com a reabertura progressiva e parcial de escolas, a reabertura de cabeleireiros e, eventualmente, de museus.
As reuniões privadas em casa com pequenos grupos de amigos e familiares deverão passar a ser autorizadas.
A "fase 3", que terá início no melhor dos cenários em 08 de junho, deverá ser marcada pela "reabertura potencial e progressiva dos restaurantes", mas ainda não de bares e cafés, enquanto se estuda a situação da reabertura de cinemas, assim como das viagens ao estrangeiro.
A Bélgica, que tem 11,4 milhões de habitantes, registrou até hoje 47.859 casos de infecção e 7.501 mortes.
HOLANDA
A Holanda encerrou escolas e estabelecimentos comerciais em meados de março, mas o governo não decretou um confinamento geral, aconselhando antes à população o teletrabalho sempre que possível e respeitar as regras de distanciamento social nas saídas à rua.
A partir de 11 de maio, as escolas do ensino básico (dos 6 aos 15 anos) vão poder reabrir, a tempo parcial.
Turmas e horários serão reduzidos para metade, com os alunos a ocuparem a outra metade do tempo com ensino à distância.
As escolas secundárias deverão reabrir a 02 de junho.
A partir de hoje, crianças e adolescentes podem retomar as atividades desportivas, mas todas as competições continuam suspensas.
Atletas profissionais também podem regressar aos treinos, mas as competições mantêm-se suspensas pelo menos até 20 de maio.
Bares, cafés, restaurantes, ginásios, museus e teatros mantêm-se encerrados também até 20 de maio.
Todos os grandes eventos estão cancelados até 01 de setembro.
A Holanda, com 17,3 milhões de habitantes, registra 38.245 casos e 4.518 mortes, segundos números de terça-feira da OMS.
SUÍÇA
A 16 de abril, um mês depois de decretado o confinamento geral, a Suíça anunciou um plano de três fases para a reabertura gradual das empresas e das escolas.
Desde 27 de abril, cabeleireiros, fisioterapeutas e psicólogos foram autorizados a reabrir portas.
Os consultórios médicos, limitados a situações urgentes, puderam também voltar a funcionar e, nos funerais, os familiares diretos passaram a poder estar presentes.
A 11 de maio reabrem as escolas primárias e, a 08 de junho, as escolas profissionais e secundárias e as universidades, assim como museus, bibliotecas e zoos.
Também a 08 de junho, em princípio, as restantes lojas, os bares e os restaurantes serão autorizados a reabrir.
Grandes eventos públicos, como concertos ou jogos de futebol, não têm ainda data para recomeçar.
A Suíça, com cerca de 6,8 milhões de habitantes, registra 29.081 casos de infecção e mais de 1.352 mortes associadas à covid-19, segundo números da OMS de terça-feira.
ÁUSTRIA
A Áustria inicia o desconfinamento a 01 de maio, devolvendo aos cidadãos a liberdade de se deslocarem sem restrições, embora mantendo limitadas as reuniões em espaço público ou privado a 10 pessoas.
Os hotéis reabrem a 15 de maio e os restaurantes a 29 de maio, com a limitação de quatro adultos por mesa e o uso de máscara pelos empregados, encorajando-se as reservas, para evitar filas à entrada.
Bares e discotecas continuam encerrados, devido à dificuldade de manter um distanciamento físico nesses locais.
Aquele que foi o primeiro país da Europa a aliviar restrições, deu na semana passada como concluída "com êxito" a primeira fase de reativação da economia, iniciada a 14 de abril com a reabertura dos pequenos estabelecimentos comerciais, com menos de 400 m2.
Estabelecimentos comerciais maiores serão autorizados a abrir a 01 de maio e, em meados do mês, podem reabrir museus, bibliotecas e cinemas ao ar livre.
Apesar da autorização, os museus estatais decidiram não reabrir antes de 01 de junho.
Jardins e parques reabrem a 29 de maio.
Grandes eventos públicos continuarão proibidos pelo menos até 31 de agosto e não há data prevista para a reabertura de cinemas e teatros, piscinas, recintos desportivos e academias, encerrados desde que foi decretado o confinamento, a 16 de março.
Os funerais passam a 01 de maio a poder contar com a participação de até 30 pessoas.
Os alunos vão regressar às escolas a partir de 04 maio, em três etapas, com as turmas divididas e as aulas limitadas a dois ou três dias por semana.
As três etapas são definidas por idades, começando, a 04 de maio, pelos alunos que têm de fazer exames do final do secundário ou de progressão nas escolas técnicas e profissionais.
Na segunda etapa, a partir de 15 de maio, regressam à escola os alunos do ensino básico (6 a 14 anos) e, na terceira, marcada para 29 de maio, os restantes alunos.
As turmas vão ser divididas em dois grupos, em média de 11 alunos cada, que irão às aulas em dias diferentes.
As aulas não se vão prolongar para o verão, mas o próximo ano letivo pode começar mais cedo do que é habitual.
Os alunos de todas as idades serão encorajados a lavar frequentemente as mãos e, os maiores de dez anos, terão de usar máscara nos intervalos.
As universidades manterão as aulas à distância até ao final do ano letivo.
Com 8,85 milhões de habitantes, a Áustria registra mais de 15.200 casos de infecção pelo novo coronavírus e 569 mortes, segundo números oficiais de terça-feira.
POLÔNIA
A Polônia anunciou para 04 maio a reabertura de centros comerciais, hotéis e algumas instituições culturais.
A 06 de maio, as creches e escolas pré-primárias também podem reabrir.
As escolas dos restantes níveis de ensino deverão reabrir a 24 de maio e os exames finais do secundário, no início de junho, vão realizar-se, mas apenas na componente escrita.
O uso de máscara é obrigatório no espaço público, designadamente nas lojas, que estão abertas, com a limitação de um cliente por cada 15 metros quadrados.
Certos serviços de atendimento individual, como a fisioterapia, reabrem a 04 de maio.
A Polônia já tinha começado a aliviar restrições em abril, com a reabertura de parques e jardins e o aumento do número de clientes permitido por loja.
Com 38 milhões de habitantes, a Polônia registra 12.415 casos de inferção e 606 mortes, segundo números oficiais de hoje.
ROMÊNIA
A RomÊnia vai reabrir escolas entre 02 e 12 de junho apenas para os alunos que vão ter exames de final de ciclo do ensino básico, divididos em grupos de 10 e que terão apenas duas ou três horas de aulas por dia.
Todas as escolas, desde as creches às universidades, permanecerão encerradas até setembro, mantendo-se o ensino à distância até ao final do ano letivo, a 12 de junho.
Os maiores de 65 anos, que até agora só podiam sair de casa entre as 11:00 e as 13:00, podem desde terça-feira sair entre as 07:00 e as 11:00 e entre as 19:00 e as 22:00.
A partir de 15 de maio, o estado de emergência vai terminar e as restrições de movimento parcialmente levantadas, passando a ser obrigatório o uso de máscara nos espaços públicos fechados e nos transportes públicos.
A RomÊnia, com 19,4 milhões de habitantes, registRa 11.339 casos e 631 mortes, segundo números da OMS de terça-feira.
DINAMARCA
A Dinamarca iniciou a 15 de abril a reabertura progressiva das escolas, começando pelas creches e escolas pré-primárias e primárias, a que se seguirão, a 10 de maio, os níveis de ensino seguintes.
Foi o primeiro país europeu a reabrir as creches.
Os exames finais do secundário não se vão realizar, dependendo as classificações dos alunos da avaliação contínua.
Cabeleireiros, estúdios de tatuagem, escolas de condução, oculistas, dentistas, psicólogos, clínicas de fisioterapia e laboratórios de investigação foram autorizados a reabrir a 19 de abril.
Uma semana depois, a 27 de abril, reabriram os tribunais e serviços públicos relacionados com o apoio às famílias e a adoção.
Restaurantes, cafés, bares, centros comerciais e discotecas continuam encerrados.
A partir de 11 maio, as concentrações, agora limitadas a 10 pessoas, passam a poder juntar até 500 pessoas, em espaços públicos ou privados.
Igrejas, bibliotecas e recintos desportivos permanecem fechados pelo menos até 10 de maio.
A Dinamarca, com uma população de 5,8 milhões, registRa 8.698 casos e 427 mortes, segundo números da OMS de terça-feira.
NORUEGA 
A Noruega iniciou o alívio progressivo das restrições a 20 de abril, com a reabertura das creches e o levantamento da proibição de deslocações a casas de férias ou de fim de semana.
Também a partir de 20 de abril, puderam reabrir oculistas, dentistas, psicólogos, clínicas de fisioterapia e laboratórios.
Numa segunda etapa, que se iniciou a 27 de abril, puderam voltar a funcionar, parcialmente, os estabelecimentos escolares, incluindo universidades, assim como cabeleireiros e clínicas de massagens e tratamentos dermatológicos.
Mantêm-se em vigor a proibição de eventos culturais e desportivos, o fecho de fronteiras, as medidas de quarentena e autoisolamento, o teletrabalho sempre que é possível, e o encerramento de restaurantes, cafés e bares.
Com uma população de cerca de 5,4 milhões, a Noruega registra 7.533 casos e 193 mortes, segundo números de terça-feira da OMS.
REPÚBLICA TCHECA
A 24 de abril, a República Tcheca tornou-se o primeiro país europeu a voltar a autorizar todas as viagens ao estrangeiro, inclusivamente para férias.
Ao regressarem ao país, os tchecos devem apresentar um teste negativo para coronavírus feito no máximo quatro dias antes ou submeter-se a uma quarentena de 14 dias.
Simultaneamente, os tchecos puderam voltar a sair à rua e a deslocar-se dentro do território nacional, ao ser levantado o confinamento imposto a 12 de março que limitava as saídas a obrigações profissionais, aquisição de bens essenciais, visitas a familiares ou consultas médicas.
A medida foi anunciada um dia depois de a República Tcheca ter decidido aliviar várias restrições, mantendo embora a obrigação de uso de máscara, o distanciamento social e a proibição de reuniões de mais de 10 pessoas, e não duas, como até agora.
A 07 de abril já tinha sido levantada a obrigatoriedade de uso de máscara para os praticantes de ciclismo, corrida ou outras atividades desportivas ao ar livre, mantendo-se em todos os outros casos.
Lojas de jardinagem, ferramentas, materiais de construção e de bicicletas reabriram a 09 de abril.
As concentrações de mais de 10 pessoas continuam proibidas.
A República Tcheca, com 10,65 milhões de habitantes, registrava na terça-feira 7.449 casos de infecção, 223 dos quais mortais, segundo números da OMS.
FINLÂNDIA 
A Finlândia vai permitir concentrações públicas com menos de 500 pessoas a partir do dia 13 de maio, mantendo pelo menos até ao final de julho a proibição de eventos maiores.
O governo prevê anunciar, ainda esta semana, quando vão reabrir as escolas, liceus e universidades.
A Finlândia, com 5,5 milhões de habitantes, registrava na terça-feira 4.695 casos de infecção e 193 mortes, segundo números da OMS de terça-feira.
LUXEMBURGO
O Luxemburgo iniciou a 20 de abril a primeira fase da "estratégia de saída" do confinamento com o reinício de atividade dos setores da construção, reciclagem e jardinagem e a reabertura das lojas de ferragens e de jardinagem.
A 04 de maio reabrem as escolas para os alunos que têm exames finais, a 11 de maio as universidades e escolas secundárias e a 25 de maio as creches e escolas primárias.
As turmas serão dividas em dois grupos, que irão à escola em semanas alternadas, prosseguindo o ensino à distância nas semanas em que não vão.
Lojas, bares e restaurantes permanecem encerrados, ainda sem data para reabrir, e os eventos culturais e desportivos continuam proibidos, pelo menos até 31 de julho.
O uso de máscara é obrigatório nos espaços públicos fechados e nos transportes públicos.
O Luxemburgo, com cerca de 614 mil habitantes, registrava até hoje 3.729 casos de infecção e 88 mortes, segundo números da OMS de terça-feira.
GRÉCIA 
A Grécia inicia o seu plano de desconfinamento a 04 de maio, com três fases que se estendem até meados de junho.
A partir da próxima segunda-feira as restrições às deslocações dos cidadãos dentro do concelho de residência são levantadas e alguns serviços administrativos poderão reabrir.
Perto de 10% das lojas fechadas podem também reabrir, incluindo livrarias, cabeleireiros, lojas de eletrônica e de artigos de desporto, bem como de jardinagem.
Nos transportes públicos, hospitais e cabeleireiros o uso da máscara será obrigatório.
A atividade física será autorizada no exterior e no mar, mas as praias privadas continuarão encerradas.
A 11 de maio poderão abrir todas as outras lojas, exceto os centros comerciais, com reabertura prevista para 01 de junho.
Nesta data, os alunos do final do secundário regressam às escolas e, uma semana depois, será a vez dos outros alunos do secundário e do superior.
A partir de 17 de maio, as igrejas podem voltar a celebrar missas.
Finalmente, a 1 de junho, retomarão a atividade os restaurantes e hotéis para tentar salvar a estação turística.
Com 10,7 milhões de habitantes, a Grécia registra 2.534 casos e 136 mortes, segundo números oficiais de terça-feira.
ISLÂNDIA
A Islândia vai levantar algumas restrições a partir de 04 de maio, em várias fases de três a quatro semanas de duração cada uma.
A partir de 04 de maio, as concentrações públicas, agora limitadas a 20 pessoas, vão poder juntar até 50 pessoas, desde que respeitando uma distância mínima de dois metros.
As escolas pré-primárias e primárias vão poder funcionar normalmente, mas as escolas secundárias e universidades têm de respeitar um limite que garanta distanciamento entre alunos.
As atividades de ar livre para crianças podem ser retomadas, respeitando o limite de 50 pessoas e o distanciamento, e as atividades desportivas ao ar livre podem ser realizadas desde que não juntem mais de quatro pessoas.
Cabeleireiros, massagistas e fisioterapeutas poderão reabrir, assim como museus.
Piscinas e academias mantêm-se encerrados, assim como bares, salas de jogos e discotecas.
As lojas continuam a ter um limite de 100 clientes.
A Islândia, com 364 mil habitantes, registra 1.792 casos e 10 mortes, , segundo números da OMS de terça-feira.
LITUÂNIA
A Lituânia autorizou a 16 de abril a reabertura dos estabelecimentos comerciais que tenham saída direta para a rua, priorizando lojas de reparações, lavanderias e sapateiros, com limitação do número de clientes no interior e desde que cada cliente não esteja na loja mais de 20 minutos.
As restantes lojas abriram a 24 de abril e esplanadas e museus poderão reabrir "em breve".
Centros comerciais, academias e clubes desportivos, restaurantes e bares mantêm-se encerrados, como definido quando foi decretado o confinamento geral no país, a 16 de março.
Escolas e universidades não deverão reabrir antes de setembro.
O uso de máscara é obrigatório na via pública e espaços fechados.
A Lituânia, com 2,8 milhões de habitantes, registra 1.449 casos de infecção e 41 mortes, segundo números da OMS de terça-feira.
ESLOVÊNIA
As grandes empresas eslovenas, encerradas desde meados de março, foram autorizadas a retomar a atividade a 14 de abril.
A partir desse dia, puderam também reabrir oficinas de automóveis, estaleiros de construção e lojas de ferragens e de eletrodomésticos.
A 20 de abril reabriram as restantes lojas de até 400 metros quadrados e, a 04 de maio, reabrem as grandes superfícies.
O Governo esloveno anunciou "para breve" o levantamento das restrições de movimento e reunião.
Com dois milhões de habitantes, a Eslovênia registrava na terça-feira 1.407 casos de infecção e 83 mortes, segundo números da OMS de terça-feira.
VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo