sábado, 6 de fevereiro de 2021

Absolvido no mensalão é suspeito em mais um esquema de propina

 

Márcio Alaor de Araújo, ex-vice-presidente do BMG, foi alvo em 2020 de fases da Operação Descarte, uma investigação da Receita Federal, da Polícia Federal e do Ministério Público Federal em São Paulo

©  Euler Junior/EM/D.A Press

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um executivo que chegou a ser denunciado no mensalão está novamente no centro de uma investigação sob suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro para operadores de políticos com altos cargos, como o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e o ex-ministro e ex-senador Romero Jucá, ambos do MDB.

Márcio Alaor de Araújo, ex-vice-presidente do BMG, foi alvo em 2020 de fases da Operação Descarte, uma investigação da Receita Federal, da Polícia Federal e do Ministério Público Federal em São Paulo.

A Procuradoria o considera um pivô do esquema de lavagem de dinheiro que envolve o banco mineiro, doleiros, empresas de fachada, operadores políticos e um escritório de advocacia que forjava serviços jurídicos para transformar em propinas recursos saídos da instituição financeira.

"Em petições apresentadas à Justiça, seus advogados têm afirmado que não há corroboração de provas nas delações que o mencionam.

Sua defesa é comandada por Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que disse em manifestação ao TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) que a delação que acusa Alaor foi adaptada enquanto estava em curso porque "nada foi encontrado que corroborasse a versão dos delatores" e que a acusação usa elementos "apreendidos com o próprio colaborador".

O Ministério Público Federal contesta e apresenta emails e relatórios apreendidos antes de ele firmar delação que, mesmo sem o depoimento do colaborador, já serviriam para uso contra os investigados.

"Temos emails contendo negociações, notas fiscais e contratos simulados apreendidos na 1ª fase da operação, informações fiscais da Receita Federal e RIF (relatório de informações financeiras) do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras)", diz o procurador da República Vicente Mandetta, responsável pela investigação.

Segundo ele, esse material forma "conjunto probatório robusto suficiente para a decretação das medidas de busca e apreensão, sequestro de bens e valores e afastamento da atividade econômica, deferidas pela 2ª Vara Criminal Federal de São Paulo".

Em 2012, Alaor chegou a ser condenado em primeira instância por gestão fraudulenta em ação de desdobramento do mensalão, mas foi absolvido pelo TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região). A Procuradoria recorreu.

No julgamento da Descarte, Alaor teve uma vitória parcial no TRF-3 no último dia 1º: reverteu uma medida cautelar que o afastava de atividades econômica e financeira. Mas ficou decidido que ele não pode atuar no BMG. Também foi considerada prematura a discussão a respeito das provas da investigação e delações.

A Operação Descarte investiga esquemas de lavagem de dinheiro relacionados ao advogado Luiz Carlos D'Afonseca Claro, também conhecido como Lulli Chiaro, e seu filho Gabriel Claro. Ambos firmaram acordo de delação em 2019.

As apurações das fases contra o BMG contemplam alvos de outras grandes operações, como da Lava Jato do Rio de Janeiro, que investiga elos com o ex-governador Sérgio Cabral (ex-MDB), e da Acrônimo, que envolve suspeitas relacionadas ao ex-governador de Minas Gerais Fernando Pimentel (PT).

O esquema com os Claros funcionava assim: interessados em dinheiro vivo firmavam contratos fictícios com empresas ligadas a Luiz Carlos e Gabriel. Então, pai e filho providenciavam recursos em espécie por meio de doleiros.

As investigações apontam que os Claros atuaram para empresas ligadas ao BMG e seus executivos de 2014 a 2016. Os operadores do esquema eram Milton Lyra e Daniel Peixoto, ligados a políticos da cúpula do MDB.

Segundo a delação de Gabriel Claro, as empresas ligadas ao BMG firmaram contratos de fachada com empresas ligadas aos Claro.
Parte do dinheiro em espécie, dizem os investigadores, teria sido entregue ao próprio Márcio Alaor na sede do BMG.

A PF chegou à conclusão de que houve serviços de fachada não só nos contratos com os Claros, mas também com outras empresas. Para isso, usaram como provas os emails, relatórios da Receita Federal e depoimentos de colaborações.

No total, o volume de recursos suspeitos movimentado no esquema é de aproximadamente R$ 140 milhões.

O banco BMG foi contratado pelo governos de Minas Gerais e do Rio de Janeiro para a concessão de crédito consignado aos servidores desses estados.

Márcio Alaor renunciou ao cargo de vice-presidente do BMG após a operação.

Os advogados de Luiz Carlos Claro e Gabriel Claro, Danyelle Galvão e Ortélio Marrero, afirmam em nota que "todas as declarações prestadas estão corroboradas por elementos da investigação, inclusive colhidos em busca e apreensão anterior à prisão".

OUTRO LADO


O advogado Kakay afirma que Márcio Alaor está tranquilo quanto à investigação. Segundo ele, não há nada nos autos que leve a entender que realmente existia um esquema de lavagem de dinheiro.

Alaor só aparece "em um determinado email que o setor jurídico encaminhou para algumas pessoas e também encaminhou para ele, como vice-presidente, em relação a uns contratos que haviam sido feitos", diz Kakay.

"Eles afirmam que os contratos foram regulares, que não há absolutamente mais nada que os preocupe. Houve uma primeira delação que o nome dele não aparece. Numa segunda delação a mesma pessoa diz que esteve com o Márcio", afirma o advogado.

Em nota, o BMG informa que criou em novembro comitê especial dedicado ao levantamento dos fatos. O banco diz que Márcio Alaor "renunciou espontaneamente ao seu mandato de diretor executivo vice-presidente".

Na nota, o BMG se coloca à disposição das autoridades para esclarecimentos.

Marco Antônio de Milton Lyra não quis comentar, pois não teve acesso à investigação.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo