Publicidade

quinta-feira, 8 de julho de 2021

Antecipar 2ª dose pode atrasar vacinação por idade, diz João Gabbardo

 

Gabbardo declarou ainda que acredita ser mais seguro ter um número maior de pessoas imunizadas com a 1ª dose

© Agência Brasil


O governo de São Paulo vai avaliar nesta quinta-feira, 8, se reduz o intervalo de três meses entre as doses de vacinas contra a covid-19, no caso dos imunizantes Pfizer e Astrazeneca. A decisão deve ser anunciada ainda neste fim de semana. O coordenador executivo do Centro de Contingência da covid-19 no Estado, João Gabbardo, disse que, em sua avaliação, a alteração pode retardar o cronograma para aplicação da primeira dose na população adulta. A circulação da variante Delta, que estudos já mostraram ser mais transmissível, preocupam autoridades. Até o momento, cinco Estados já aderiram à antecipação.

"Isso vai ser discutido hoje (nesta quinta-feira) no grupo que compõe o Programa Estadual de Imunização. Tenho uma resistência com essa ideia", afirmou Gabbardo em entrevista à Rádio Eldorado, nesta manhã. "Quando você usa uma vacina com uma previsão que não estava no planejamento, obviamente que retarda a vacinação de outros grupos de faixa etária. O atraso afeta todos que ainda não foram vacinados, tem efeito cascata".

O ex-secretário executivo do Ministério da Saúde declarou ainda que acredita ser mais seguro ter um número maior de pessoas imunizadas com a 1ª dose, mas que a decisão será analisada em conjunto. O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, defendeu um intervalo menor do que três meses para a aplicação de doses. A estratégia também divide especialistas ouvidos pelo Estadão. Possíveis alterações no cronograma devem ser anunciadas ainda neste fim de semana ou na segunda-feira, 12.

A deliberação é motivada pelo avanço da variante Delta. No início desta semana, São Paulo confirmou o primeiro registro da mutação, considerada mais transmissível por especialistas. Segundo Gabbardo, o Estado já considera a transmissão comunitária da cepa. "As recomendações não mudam, são as mesmas para todas as variantes: distanciamento físico, uso de máscaras, higienização e, o mais importante, acelerar a vacinação", pontuou.

As modificações no cronograma de vacinação devem levar outros dois fatores em conta. A antecipação em um mês, pelo Instituto Butantan, de 100 milhões de doses de Coronavac, que seriam entregues somente no fim de setembro, direcionadas ao Programa Nacional de Imunização. E a aquisição pelo governo estadual de 4 milhões de doses extras do imunizante, acordada com a biofarmacêutica chinesa Sinovac. No caso da Coronavac, o intervalo entre as doses é de até 28 dias.

Gabbardo defende liberações no comércio e em escolas

Gabbardo defendeu as alterações no Plano São Paulo anunciadas na quarta-feira, 7, pelo governador João Doria (PSDB). De acordo com as novas regras, o horário de funcionamento do comércio será ampliado em todo o Estado, que também terá a volta às aulas presenciais nas universidades.

"O que nós temos de concreto hoje no Estado de São Paulo é uma redução no número de internações há quatro semanas e redução no número de óbitos há duas semanas, os dados são bastante positivos", afirmou.

Questionado sobre o avanço das variantes Delta e Lambda, Gabbardo declarou que as recomendações e decisões são tomadas com base em dados concretos. "Não podemos fazer previsões em cima de uma possibilidade de um aumento de transmissibilidade por uma determinada variante."

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo