terça-feira, 17 de agosto de 2021

Castillo é o presidente com pior avaliação para o início do mandato no Peru

 

A rejeição a Castillo se concentra especialmente entre os peruanos que vivem em Lima

© Getty


BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - Pedro Castillo, que tomou posse como presidente do Peru no último dia 28 de julho, é o mandatário com menor aprovação popular para o início da gestão no país nos últimos 20 anos.

De acordo com levantamento realizado pelo instituto Ipsos para o jornal El Comércio, o esquerdista tem 38% de aceitação entre os peruanos. Seu índice de rejeição é de 45%, e 17% dos entrevistados não opinaram. A pesquisa foi divulgada no domingo (15).

Seus antecessores no cargo nas duas últimas décadas -exceção feita ao interino Francisco Sagasti, eleito pelo Congresso- tiveram entre 55% e 60% de aprovação popular no início de seus mandatos.

Castillo recebeu 18,82% dos votos no primeiro turno, em abril, e foi eleito em junho com uma pequena margem sobre a direitista Keiko Fujimori: teve 50,13% dos votos.

A rejeição a Castillo se concentra especialmente entre os peruanos que vivem em Lima; na capital, sua desaprovação atinge 66%.

Já nas regiões do interior, onde os chamados "ronderos" -militantes das "rondas campesinas", milícia que ajudou a eliminar o grupo guerrilheiro Sendero Luminoso- têm mais força, sua aprovação é maior. Em Ayacucho, por exemplo, onde foi celebrada a cerimônia de posse, a aprovação a Castillo é de 82%.

A pesquisa do Ipsos também mostra uma alta rejeição a Guido Bellido, o primeiro-ministro, cuja escolha quase afastou o indicado para a pasta da economia, o moderado Pedro Francke. Bellido, que é investigado por lavagem de dinheiro e por apologia do terrorismo, tem rejeição de 59%.

Bellido está no centro de um escândalo revelado pela imprensa peruana, acusado de participação em um esquema que cobrava subornos de comerciantes e fazendeiros na região de Junín. A investigação do caso pode prejudicar o primeiro-ministro, que no próximo dia 26 de agosto precisa receber um voto de confiança ao ser apresentado ao Congresso.

Segundo a Ipsos, 50% do Parlamento do Peru rejeita dar o voto de confiança a ele -48% são a favor, e 2% não sabem.

O levantamento também sondou a opinião sobre uma possível ingerência de Vladimir Cerrón sobre o Executivo. Cerrón, líder do Perú Libre, partido de Castillo, seria inicialmente o candidato à Presidência, mas acabou impedido de concorrer, condenado por corrupção durante sua gestão como governador de Junín.

Entre os entrevistados, 40% consideram que Castillo "faz o que Cerrón quer", e 57%, que Guido Bellido o faz.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo