quarta-feira, 11 de agosto de 2021

Muçulmanas são 'leiloadas' online na Índia

Partidos de oposição estão buscando ação contra os culpados, alguns dos quais foram identificados pelas vítimas e estão em liberdade

© Shutterstock


NOVA DÉLI, ÍNDIA (FOLHAPRESS) - Afreen Fatima, 22, ainda está muito assustada para sair de casa depois que descobriu que estava sendo leiloada online com outras mulheres muçulmanas por ativistas de extrema direita hindus –eles também ameaçaram sequestrá-la e vendê-la como escrava sexual.

"Não consigo dormir de pensar que eles podem me atacar na vida real", diz ela.

Fatima recebeu um telefonema de uma amiga depois da meia-noite em 4 de julho, informando-lhe que fotos particulares e links para seus perfis em redes sociais tinham sido publicados no site Sulli Deals sem seu consentimento.

"Fiquei enojada. E não conseguia entender o que estava acontecendo", ela afirma.

Naquele dia, mais de 90 mulheres muçulmanas, incluindo estudantes, ativistas e jornalistas, foram "leiloadas online", provocando indignação entre a comunidade muçulmana.

Os homens hindus de direita tinham criado um projeto comunitário na plataforma GitHub, onde qualquer pessoa podia conseguir o "Sulli Deal" do dia. "Sulli" é um termo pejorativo usado para mulheres muçulmanas na Índia. Quando um usuário selecionava a opção "negócio do dia" na tela de abertura, ela exibia a foto de uma mulher.

Antes que fosse derrubado, o site já funcionava havia 20 dias e tinha divulgado fotos dessas mulheres e links para seus perfis em redes sociais.

Após semanas de indignação, cobertura na mídia e parlamentares pedindo a ação da polícia, nenhuma prisão tinha sido feita. Enquanto dois boletins de ocorrência foram feitos –em Uttar Pradesh e Déli–, três vítimas disseram à reportagem que não souberam se foram registrados boletins contra suas queixas.

"Certamente os especialistas em crime cibernético da polícia de Déli podem localizar digitalmente quem cometeu a ofensa", disse a advogada Vrinda Grover, que representa algumas das vítimas. "A polícia de Déli deve ser capaz de rastrear casos desse tipo. Se não estão fazendo isso, o que podemos pensar?"

Desde que o Partido Bharatiya Janata (Partido do Povo Indiano) chegou ao poder, em 2014, os muçulmanos da Índia sofrem constantes ataques de nacionalistas hindus. Grande parte do ódio é promovido por grupos ou indivíduos próximos ao governo do premiê Narendra Modi.

As populações muçulmanas mais vulneráveis estão em estados governados pelo PBJ, que presenciaram ataques de nacionalistas de direita hindus sem uma intervenção efetiva da polícia.

Partidos de oposição estão buscando ação contra os culpados, alguns dos quais foram identificados pelas vítimas e estão em liberdade.

Em 27 de julho, o líder da legenda opositora Congresso, Md Jawaid, juntamente com 56 membros do Parlamento, escreveu ao governo Modi pedindo um inquérito contra os criminosos envolvidos e a prisão deles. "Os perpetradores desses crimes de assédio sexual e de ódio encontram coragem para fazer isso porque não se toma nenhuma medida contra eles", disse.

Três dias depois, a deputada Priyanka Chaturvedi, do partido Shiv Sena, escreveu ao Ministério da Eletrônica e Tecnologia da Informação dizendo: "Me dói ver que quase nenhuma ação com relação a esse caso foi tomada até agora, apesar de sua seriedade".

"O objetivo do aplicativo era degradar e humilhar mulheres pertencentes a uma determinada comunidade", disse ela.

Enquanto a indignação se dilui na consciência coletiva da sociedade indiana, o crime de ódio do Sulli Deals continua assombrando Ghazal, uma consultora de marketing em Déli que costumava escrever sobre as atrocidades contra indianos muçulmanos.

Em 1º de agosto, por exemplo, Kuldeep Chauhan, que diz ser um tutor em sua bio no Snapchat, enviou a ela a seguinte mensagem: "Eu vi você em algum lugar, acho que seu nome e a foto saíram no Sulli Deals... era um bom app".

Ghazal prestou queixa na polícia em 11 de julho, mas não foi informada se o boletim foi registrado. "Não me sinto segura como minoria na Índia. Não é mais o país pelo qual meus ancestrais lutaram contra os britânicos e estabeleceram uma nação secular", disse.

O Relatório da Situação das Minorias no Sul da Ásia de 2020 diz que a Índia se tornou "um espaço perigoso e violento para as minorias muçulmanas" desde que o governo Modi aprovou emendas no Ato da Cidadania em 2019.

O documento diz que a emenda abriu caminho para uma categoria de imigrantes sem documentos legalizarem sua situação e se tornarem cidadãos indianos, mas excluiu especificamente os muçulmanos.

Como muitos incidentes antimuçulmanos semelhantes cometidos por ativistas de extrema direita hindus, os Sulli Deals se tornaram uma demonstração pública da fetichização e degradação das mulheres muçulmanas na Índia.

Nabiya Khan, poeta e ativista de Nova Déli, diz que devia ter 16 anos quando ouviu um grupo de meninos em sua classe chamando-a de "sulli".

"Todos os meninos sentados perto dela se uniram em uma gargalhada. O modo como eles me olhavam não era misoginia comum. Eu percebi então que era não apenas por eu ser uma menina, mas porque eu era muçulmana", disse.

Cerca de oito anos depois, Khan acordou e percebeu que suas fotos estavam entre centenas de outras de muçulmanas sendo leiloadas na internet.

"A fetichização sexual das mulheres muçulmanas é prevalente na sociedade indiana há muito tempo e está estreitamente relacionada à violência e ao abuso dirigidos a elas".

Com o apoio sutil do Estado aos acusados, as mulheres muçulmanas dizem que não têm esperança de justiça pela polícia ou o Judiciário. "Continuaremos erguendo a voz porque não eram só nossos corpos que estavam sendo leiloados. Era nossa identidade, nossa existência muçulmana", disse Fatima.

Os crimes de ódio contra minorias estão aumentando, assumindo a forma de linchamentos e outras violências contra muçulmanos, cristãos e dalits. Em estados governados pelo PBJ, os governos locais aprovaram leis que criminalizam o casamento entre hindus e muçulmanos.

Nesse processo gradual de subjugação das minorias, e sua intimidação formal por preconceito e agressão, a Índia está consolidando seu abandono formal do etos secular e pluralista que esteve, desde a independência, enraizado na maior democracia do mundo.Tradução de Luiz Roberto M. Gonçalves

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo