sexta-feira, 29 de outubro de 2021

EUA querem que Brasil reduza vistos humanitários a haitianos para conter migração

Washington considera que uma eventual redução no número desses vistos tende a diminuir o fluxo de cidadãos do Haiti que cruzam as Américas rumo à fronteira sul dos EUA

© Pixabay


BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Para tentar conter a atual crise migratória nos Estados Unidos, o governo de Joe Biden passou a defender que o Brasil aumente o rigor na concessão de vistos humanitários e de reunião familiar para haitianos.

Segundo interlocutores, Washington considera que uma eventual redução no número desses vistos tende a diminuir o fluxo de cidadãos do Haiti que cruzam as Américas rumo à fronteira sul dos EUA, já que parte dos detidos tentando entrar de maneira irregular no território americano inicia a jornada no Brasil.

A avaliação é que o fortalecimento de controles migratórios no Brasil e em outras nações latino-americanas, caso do Chile, também apontado como origem dos haitianos, deve desencorajar pessoas que planejam ingressar nesses países apenas com o objetivo de tentar migrar para os EUA pouco depois.

A preocupação de Washington foi manifestada, de forma genérica, pelo secretário de Estado americano, Antony Blinken, durante reunião realizada na semana passada em Bogotá, na Colômbia.

Ele não citou o Brasil na ocasião, mas pediu a cooperação de todos os países da região no enfrentamento da atual crise migratória.

"Nós temos de fortalecer o controle das fronteiras, por exemplo, por meio da exigência de vistos e do controle meticuloso da entrada em casos em que a dispensa de vistos estimula, de forma não intencional, a migração irregular", disse. "Nós temos de melhorar os processos de asilo para que as pessoas que têm apelos [por refúgio] válidos possam ser ouvidas rapidamente."

A crise foi evidenciada na semana passada, quando os dados do Serviço de Alfândegas e Proteção das Fronteiras (CBP, na sigla em inglês) relativos ao ano fiscal de 2021, encerrado em setembro, foram divulgados, mostrando o recorde de mais de 1,7 milhão de detenções na fronteira com o México.

A cooperação bilateral para enfrentar a situação foi discutida ainda em uma visita a Brasília, também na semana passada, da secretária-adjunta de Assuntos Internacionais do Departamento de Segurança Nacional dos EUA, Serena Hoy.

Procurado, o Itamaraty negou que os americanos tenham manifestado preocupação com o número de vistos humanitários concedidos pelo Brasil a cidadãos haitianos.

"O governo brasileiro considera que os vistos para acolhida humanitária a cidadãos do Haiti são concedidos com o máximo rigor, em conformidade com os parâmetros estabelecidos pela portaria interministerial número 13, de 2020", afirmou o ministério, em nota.

A embaixada dos EUA, por sua vez, argumentou que "ajudar a conter o fluxo de indivíduos que procuram utilizar países terceiros como ponto de partida para fazer uma viagem ilegal é um aspecto importante" dos esforços para conter a onda de migração irregular.

"A atual situação migratória sem precedentes é um desafio regional que exige que todos nós encontremos novas soluções e novas formas de cooperação, no âmbito das leis de cada país e dos nossos compromissos internacionais."

O Brasil emitiu neste ano cerca de 3.300 vistos de acolhida humanitária para haitianos e 800 de reunião familiar. Em 2018, foram 3.000 vistos humanitários, número que subiu para aproximadamente 5.500 por ano em 2019 e 2020. A comunidade haitiana no Brasil é de aproximadamente 120 mil pessoas, segundo interlocutores no governo.

Esse tipo de acolhida é similar à que foi ofertada recentemente a cidadãos do Afeganistão.

Haitianos estão entre as principais nacionalidades de detidos na fronteira americana. Do 1,7 milhão de pessoas barradas no ano fiscal de 2021, 608 mil eram mexicanas e, na sequência, em um agrupamento de 367 mil apreendidos de "outras nacionalidades", segundo o CBP, estão cidadãos do país caribenho e brasileiros, entre outros.

O número criou um problema para Biden. Primeiro, com as cenas de caos de milhares de migrantes amontoados em um acampamento sob uma ponte no Texas e de agentes de fronteira ameaçando pessoas com as rédeas de cavalos. Depois, o democrata acelerou as deportações, mas enfrentou críticas pelas devoluções feitas ao país mais pobre das Américas -que enfrenta também uma grave crise política e econômica.

No final de setembro, Blinken pediu ao chanceler brasileiro, Carlos França, que o Brasil aceitasse receber haitianos que tenham algum vínculo com o país -seja um registro nacional de estrangeiro válido ou filhos brasileiros. Pessoas nessas condições não têm impedimento para ingressar.

Os americanos também sondaram a possibilidade de ampliar as hipóteses em que os cidadãos do Haiti deportados poderiam ser levados ao Brasil, mas o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) rejeitou a proposta.

De acordo com interlocutores, a atual prioridade do Itamaraty no tema é dar assistência a crianças nascidas no Brasil que foram deportadas pelos americanos para o Haiti por não terem documentos que comprovassem a nacionalidade. Elas foram detidas junto dos pais tentando atravessar a fronteira pelo México.

Autoridades brasileiras estimam que haja cerca de 80 crianças brasileiras de pais haitianos na nação caribenha.

O atual trabalho consiste em mapear esses casos e garantir que as crianças e seus pais tenham os documentos necessários caso queiram voltar ao Brasil.

 Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo