terça-feira, 28 de dezembro de 2021

China busca autossuficiência tecnológica, alimentando tensões com EUA e Europa

A unidade de chips da companhia, a T-Head, tem três anos, e revelou seu terceiro processador em outubro, o Yitian 710 para o negócio de computação em nuvem da Alibaba

© iStock (Imagem ilustrativa) 

Para ajudar a tornar a China uma "superpotência tecnológica" autossuficiente, o Partido Comunista do país está pressionando a maior empresa de comércio eletrônico do mundo a assumir o negócio complicado e caro de desenvolver seus próprios chips de processador - um negócio diferente de tudo que o Alibaba Group já tenha feito antes.

A unidade de chips da companhia, a T-Head, tem três anos, e revelou seu terceiro processador em outubro, o Yitian 710 para o negócio de computação em nuvem da Alibaba. A empresa diz que, por enquanto, não tem planos de comercializá-lo.

Outros desenvolvedores de chips novatos, incluindo a Tencent, um gigante de jogos e mídia social, e a marca de smartphones Xiaomi, estão prometendo bilhões de dólares em linha com os planos oficiais para criar computação, energia limpa e outras tecnologias que podem aumentar a riqueza e a influência global da China.

Os chips do processador desempenham um papel cada vez mais crítico em produtos, de smartphones e carros a dispositivos médicos e eletrodomésticos. A escassez devido à pandemia do coronavírus está interrompendo a fabricação global e aumentando as preocupações com os suprimentos.

Os itens são uma prioridade na campanha do Partido Comunista para acabar com a dependência da China da tecnologia dos Estados Unidos, Japão e outros fornecedores que Pequim vê como potenciais rivais econômicos e estratégicos. Se tiver sucesso, os líderes empresariais e políticos alertam que isso pode desacelerar a inovação, interromper o comércio global e tornar o mundo mais pobre.

"Devemos nos esforçar para nos tornar o principal centro de ciência do mundo e a base da inovação", disse o presidente Xi Jinping em um discurso divulgado em março.

Mesmo com enormes investimentos oficiais, empresários e analistas dizem que os fabricantes de chips e outras empresas terão dificuldade para competir ao se afastarem dos fornecedores globais de componentes avançados e tecnologia - uma meta que nenhum outro país está perseguindo.

"É difícil imaginar um país reconstruindo tudo isso e tendo a melhor tecnologia", disse Peter Hanbury, que acompanha a indústria para a Bain & Co.

A campanha de Pequim está aumentando a tensão com Washington e a Europa, que veem a China como um competidor estratégico e citam preocupações de segurança, bloqueando o acesso às ferramentas mais avançadas de que os fabricantes de chips chineses precisam para se equiparar aos líderes globais em precisão e eficiência.

Se o mundo se desvincular ou se dividir em mercados com padrões e produtos incompatíveis, as peças feitas nos Estados Unidos ou na Europa podem não funcionar em computadores ou carros chineses. Os fabricantes de smartphones que possuem um único sistema operacional global dominante e dois padrões de rede podem precisar fazer versões exclusivas para diferentes mercados. Isso pode retardar o desenvolvimento.

As fábricas da China montam os smartphones e tablets do mundo todo, mas precisam de componentes dos Estados Unidos, Europa, Japão, Taiwan e Coreia do Sul. Os chips são a maior importação da China, à frente do petróleo bruto, com mais de US$ 300 bilhões no ano passado.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo