quinta-feira, 23 de dezembro de 2021

Os mais cruéis ditadores e tiranos da história

Governantes que aterrorizaram o mundo

Os mais cruéis ditadores e tiranos da história -

A história registrou uma quantidade verdadeiramente perturbadora de tiranos, déspotas e ditadores. Encarregados de governar ou presidir países e povos, esses indivíduos "retribuíram" o privilégio formando regimes autoritários com pouca ou nenhuma consideração pelo pluralismo político, pelos direitos humanos ou pelo Estado de Direito e usaram de violência extrema contra sua própria gente.

Clique na galeria a seguir e descubra quem deixou para trás um legado de miséria totalitária!

© Getty Images


A história registrou uma quantidade verdadeiramente perturbadora de tiranos, déspotas e ditadores. Encarregados de governar ou presidir países e povos, esses indivíduos "retribuíram" o privilégio formando regimes autoritários com pouca ou nenhuma consideração pelo pluralismo político, pelos direitos humanos ou pelo Estado de Direito e usaram de violência extrema contra sua própria gente.

Clique na galeria a seguir e descubra quem deixou para trás um legado de miséria totalitária!

Qin Shi Huang (259–210 a.C) -

Fundador da dinastia Qin e primeiro imperador de uma China unificada, Qin Shi Huang tinha o hábito de assassinar estudiosos cujas ideias ele discordava. Ele é conhecido por encomendar um mausoléu guardado por figuras de soldados terracota em tamanho real. Após sua conclusão, ele mandou matar os trabalhadores para preservar o segredo da tumba.

© <p>Getty Images </p>


Calígula (12 – 41 d.C) -

Caio Júlio César Augusto Germânico, mais conhecido como Calígula, começou seu reinado como um imperador nobre e moderado. No entanto, depois de quase morrer de uma doença misteriosa, ele se tornou um tirano insano notório por crueldade, sadismo, extravagância e perversão  s e x u a l.

© <p>Getty Images </p>


Átila, o Huno (406 – 453 d.C) -

Líder do Império Huno, que englobava a Europa Central e  O r i e n t a l, Átila foi um dos antagonistas mais temidos do Império Romano. Possuindo uma presença dominante, seu nome tornou-se sinônimo de conhecimento sobre o campo de batalha, mas também de terror!

© <p>Getty Images </p>


Wu Zetian (624 – 705 d.C) -

Notável por ser a única monarca feminina na história da China, Wu Zetian não poupava inimigos. Ela era considerada implacável em seus esforços para tomar o poder e não pensava duas vezes antes de eliminar oponentes, seja por demissão, exílio ou execução.

© <p>Getty Images </p>


Genghis Khan (1158 –1227) -

Este foi o fundador e primeiro Grande Khan (Imperador) do Império Mongol. A reputação de Genghis Khan como o maior conquistador de todos os tempos é um pouco ofuscada por sua propensão em matar civis em massa. Ele não teve um pingo de remorso em usar oponentes como escudos humanos nas batalhas. Sua brutalidade deixou milhões de mortos.

© <p>Getty Images </p>


Timur (1336 - 1405) -

Historicamente conhecido como Tamerlão, o fundador do Império Timúrida tinha a reputação de ser um senhor da guerra impiedoso com o péssimo hábito de pendurar partes dos corpos de seus oponentes mortos nas paredes de torres e minaretes.

© Getty Images


Tomás de Torquemada (1420 – 1498) -

Apontado como o primeiro Grande Inquisidor da Inquisição Espanhola, Torquemada foi responsável por levar aproximadamente 20.000 pessoas para a fogueira. Seu nome permanece sinônimo de crueldade, intolerância religiosa e fanatismo.

© <p>Public Domain </p>


Vlad III (1428/31–1476/77) -

Também chamado de Vlad, o Empalador, o governante do principado da Valáquia (atual Romênia), tinha uma tendência de esfaquear e empalar aqueles que não gostava. Seu nome e reputação de crueldade inspiraram o nome do vampiro Conde Drácula.

© <p>Getty Images </p>


Rainha Maria I -

Maria I tornou-se rainha da Inglaterra em 1553. Sua tentativa vigorosa de reverter a Reforma Protestante e reinstalar o Catolicismo resultou em centenas de protestantes e outros dissidentes religiosos sendo queimados na fogueira, foi por isso que ela ganhou o sinistro apelido de "Maria Sanguinária".

© <p>Getty Images</p>


Ivan, o Terrível (1530 – 1584) -

O primeiro czar da Rússia, Ivan IV era propenso a paranoia, raivas e surtos episódicos de instabilidade mental. Acredita-se que ele matou o filho e espancou a nora grávida durante um acesso de raiva. No decorrer de um prolongado reinado de terror, ele reprimiu violentamente a aristocracia russa e mais tarde atacou a cidade de Novgorod, o que lhe rendeu o apelido de "Ivan, o Terrível".

© <p>Getty Images </p>


Tokugawa Ieyasu (1543 – 1616) -

A história registra Tokugawa Ieyasu como um dos grandes unificadores do Japão. Ele foi o fundador e primeiro xogun (comandante do exército) do Xogunato Tokugawa, uma ditadura militar feudal estabelecida no Japão. Mas sua ascensão ao poder foi repleta de uma alta contagem de corpos. Seus oponentes sofreram rapidamente com sua espada, incluindo membros de sua família que saíram da linha.

© <p>Public Domain </p>


Elizabeth Báthory (1560 – 1614) -

A nobre húngara Elizabeth Báthory de Ecsed foi rotulada pelo Guinness World Records como a assassina mais prolífica da história. Acusada de matar centenas de jovens entre 1590 e 1610, a contagem final de corpos é de 650 mortos.

© <p>Public Domain </p>


Oliver Cromwell (1599 – 1658) -

O general e estadista inglês Oliver Cromwell liderou os Roundheads para a vitória sobre os monarquistas na Guerra Civil Inglesa e foi um dos signatários da sentença de morte do rei Charles I em 1649. Ele governou as Ilhas Britânicas como Lorde Protetor, mas foi considerado um ditador militar por muitos. As medidas tomadas por ele contra os católicos, particularmente na Escócia e na Irlanda, eram praticamente genocidas.

© <p>Getty Images </p>


Maximilien Robespierre (1758 – 1794) -

O advogado e estadista francês Maximilien Robespierre desempenhou um papel fundamental na Revolução Francesa e no subsequente "Reinado do Terror", quando milhares de pessoas encontraram um fim sangrento sob a guilhotina.

© <p>Getty Images </p>


Leopoldo II (1835 – 1909) -

Fundador e único proprietário do Estado Livre do Congo, um projeto que ele criou como sua própria "colônia privada", o Rei Leopoldo II da Bélgica extraiu uma fortuna do território forçando os congoleses a trabalharem como escravizados para extração de marfim e borracha. A administração de Leopoldo no Congo foi caracterizada por atrocidades, incluindo  t o r t u r a  e assassinato. Outros milhões morreram de fome e negligência.

© <p>Public Domain </p>


Ismail Enver Pasha (1881 – 1922) -

Depois de se tornar Ministro da Guerra do Império Otomano em 1914, Enver Pasha teve responsabilidade no genocídio armênio, no assassinato em massa sistemático e na expulsão de armênios étnicos da Turquia que resultou na morte de cerca de 1,5 milhão de pessoas.

© <p>Public Domain </p>


Vladimir Lenin (1870 – 1924) -

Embora considerado uma das figuras mais significativas e influentes do século XX, Lenin fundou e liderou um regime autoritário responsável pela repressão política e assassinatos em massa.

© <p>Getty Images </p>


Joseph Stalin (1878 – 1953) -

Stalin assumiu a liderança da União Soviética após a morte de Lenin em 1924. Ele governou durante a fome de 1932-33, instigou o Grande Expurgo, no qual mais de um milhão de pessoas foram presas e pelo menos 700 mil foram executadas entre 1934 e 1939. Ele ordenou o encarceramento de inúmeros outros nos Gulags, um sistema de campos de trabalhos forçados para criminosos, presos políticos e qualquer cidadão em geral que se opusesse ao regime.

© <p>Getty Images </p>


Khorloogiin Choibalsan (1895 – 1952) -

O líder mongol Khorloogiin Choibalsan era um grande admirador de Joseph Stalin. Ele supervisionou expulsões soviéticas na década de 1930 que resultaram na morte de cerca de 30.000 a 35.000 mongóis. A maioria das vítimas eram clérigos budistas, intelectuais, dissidentes políticos e membros de minorias étnicas.

© <p>Public Domain </p>


Adolf Hitler (1889 – 1945) -

Líder do Partido  N a z i s t a, Adolf Hitler foi responsável pela morte de milhões de pessoas. Seu antissemitismo e sua perseguição obsessiva pela supremacia ariana alimentaram o assassinato de cerca de seis milhões de judeus, juntamente com outras vítimas do Holocausto.

© <p>Getty Images </p>


Benito Mussolini (1883 – 1945) -

Mussolini fundou o Partido Fascista da Itália e inspirou outros governantes totalitários, incluindo Adolf Hitler e Francisco Franco, da Espanha. Em 1936, ele formou uma aliança com Hitler e levou seu país para a Segunda Guerra Mundial com resultados desastrosos.

© <p>Public Domain </p>


Francisco Franco (1892 – 1975) -

O general espanhol Francisco Franco liderou as forças nacionalistas na derrubada da Segunda República Espanhola durante a Guerra Civil Espanhola, que resultou em pelo menos 500.000 mortes. Mais tarde, ele governou o país como ditador, um reinado marcado pela repressão brutal e prosperidade econômica.

© <p>Getty Images </p>


Hideki Tojo (1884 – 1948) -

Hideki Tojo serviu como primeiro-ministro do Japão durante a maior parte da Segunda Guerra Mundial. Além de apoiar ataques preventivos aos Estados Unidos e seus aliados europeus, ele presidiu vários crimes de guerra, incluindo o massacre e a fome de civis e prisioneiros de guerra.

© <p>Getty Images </p>


Mao Tsé-Tung (1893 – 1976) -

Em 1966, o revolucionário comunista chinês e fundador da República Popular da China iniciou a Revolução Cultural, um programa para remover elementos "contrarrevolucionários" da sociedade chinesa. Dezenas de milhões de pessoas foram perseguidas durante a Revolução. O número estimado de mortes varia entre centenas de milhares e milhões.   

© <p>Getty Images </p>


Nicolae Ceaușescu (1918 – 1989) -

O político comunista romeno Nicolae Ceauşescu liderava, com punho de ferro, um governo totalitário que supervisionava a vigilância em massa, a severa repressão e abusos de direitos humanos dentro do país. Ao longo da década de 1970, o regime foi considerado o mais repressivo do Bloco  O r i e n t a l.

© <p>Getty Images </p>


Pol Pot (1925 – 1998) -

Pol Pot foi um líder político do governo comunista Khmer Vermelho. O partido liderou o Camboja de 1975 a 1979. Durante esse tempo, estima-se que 1,5 a 2 milhões de cambojanos sucumbiram à fome, doenças, excesso de trabalho ou foram executados nos notórios "campos de extermínio". Muitos historiadores consideram o regime de Pol Pot como um dos mais bárbaros da história recente.

© <p>Getty Images </p>


Idi Amin (1925 – 2003) -

Idi Amin foi um oficial militar que serviu como presidente de Uganda de 1971 a 1979. Seu mandato foi marcado pela perseguição sistemática de certos grupos étnicos e dissidentes políticos, abusos de direitos humanos desenfreados e assassinatos extrajudiciais. Observadores internacionais e grupos de direitos humanos estimam que entre 100.000 e 500.000 pessoas foram mortas sob seu regime, tornando Amin um dos déspotas mais brutais da história mundial.

© <p>Getty Images</p>


Augusto Pinochet (1915 – 2006) -

Após sua ascensão ao poder, o general do Exército chileno, Augusto Pinochet, perseguiu esquerdistas, socialistas e críticos políticos, resultando nas execuções de aproximadamente 3.200 pessoas. Muitos milhares mais foram torturados ou simplesmente "desapareceram".

© <p>Getty Images </p>


Mobutu Sese Seko (1930 – 1997) -

Violações generalizadas dos direitos humanos, exploração econômica desenfreada e corrupção caracterizaram o Zaire (hoje República Democrática do Congo) sob o regime de Mobutu Sese Seko. Durante seu mandato, a nação também sofria de inflação descontrolada, uma grande dívida e enormes desvalorizações cambiais. Enquanto isso, ele enriquecia. Estima-se que sua fortuna pessoal seja de milhões.

Fontes: (Guinness World Records) (History Collection) (Britannica)

Veja também: A "Condessa Sanguinária": Conheça a maior assassina da história!

© <p>Getty Images </p>



VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo