quarta-feira, 13 de abril de 2022

Covid longa. Metade dos recuperados apresentam órgãos comprometidos

 

É o que revela um estudo britânico.

© Shutter Stock

Um estudo britânico que envolveu pessoas infectadas pelo coronavírus SARS-CoV-2, antes da administração da vacina, mostra que mesmo quem não apresenta sintomas graves da doença pode ficar com um (59%) ou vários (23%) órgãos comprometidos seis meses após a infecção. Um ano depois, os sintomas permaneceram em 59% e 27% dos indivíduos, respectivamente.

Os pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, analisaram dados de  536 pessoas, a maioria das quais mulheres. Cerca de 13% dos indivíduos foram hospitalizados. Segundo o estudo, que aguarda revisão pelos pares, as pessoas relataram fadiga, mialgia (dor), falta de ar, dor no peito, tosse, diarreia, disfunção cognitiva, dificuldades motoras e até convulsões.

Os sintomas foram melhorando durante os meses do acompanhamento, mas alguns persistiram. Fadiga, falta de ar e disfunção cognitiva estão entre os que apresentaram algum alívio. Porém, não desapareceram por completo. 

Entre as alterações mais comuns nos órgãos estão esteatose hepática, fibro-inflamação renal e esplenomegalia (aumento do baço).

 VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo