quarta-feira, 13 de abril de 2022

RJ deverá indenizar homem atingido em caçada ao traficante Matemático

O lanterneiro Adeilson Moreira de Souza alegou que voltava para casa de motocicleta quando se deparou com a operação e foi ferido na perna, caindo do veículo.

© iStock


MÔNICA BERGAMO (FOLHAPRESS) - O Estado do Rio de Janeiro deverá indenizar um homem atingido por estilhaços de projétil de arma de fogo durante caçada ao traficante Márcio José Sabino Pereira, o Matemático, em maio de 2012.

O lanterneiro Adeilson Moreira de Souza alegou que voltava para casa de motocicleta quando se deparou com a operação e foi ferido na perna, caindo do veículo.

Um ano após a operação, imagens reveladas pelo Fantástico, da TV Globo, mostraram que agentes da Polícia Civil utilizaram um helicóptero para perseguir o suspeito em uma favela da zona oeste do Rio. Os policiais dispararam dezenas de vezes contra o carro onde estava Matemático, um dos traficantes mais procurados pelas autoridades à época.

Em 2019, o juízo na primeira instância condenou o Estado ao pagamento de R$ 20 mil em danos morais, acrescidos de juros moratórios; R$ 5.000 em danos estéticos, acrescidos de 0,5% ao mês; e R$ 1.433,65 referentes à reparação do dano da motocicleta.

Quase dez anos após o caso, em fevereiro deste ano, a 21ª Câmara Cível do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro) confirmou os valores da sentença inicial. Os desembargadores rejeitaram recursos do Estado, que alegava a ausência de provas conclusivas de que as lesões de Adeilson tenham sido causadas pela ação dos policiais, e da vítima, que pedia uma indenização maior.

O processo transitou em julgado, ou seja, não cabe mais recurso. Na próxima etapa, de execução, serão discutidos os cálculos. Segundo a Defensoria Pública do Rio de Janeiro, que representou Adeilson na ação, a indenização deve chegar a R$ 75 mil em valores atualizados.

A Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro disse à reportagem que o Estado ainda não foi intimado sobre a execução do acórdão e que, assim que tomar conhecimento da decisão, examinará os cálculos para a indenização.

"Da análise das imagens feitas pela câmera instalada dentro do helicóptero utilizado na operação, verifica-se que os disparos aéreos de arma de fogo eram dirigidos a interceptar o automóvel e seus ocupantes, alvos da mencionada operação policial, tendo sido produzidos em local onde existem inúmeras residências e pessoas transitando, ou seja, a esmo, em visível ação sem qualquer planejamento, colocando em risco a vida e a incolumidade física daquela população", escreveu o desembargador André Ribeiro em seu relatório.

O uso de helicópteros em operações policiais é frequentemente criticado pela Defensoria Pública e por instituições de defesa dos direitos humanos. Em agosto de 2020, o STF (Supremo Tribunal Federal) restringiu as aeronaves em operações para casos de "estrita necessidade".

Perto de escolas, a utilização dos helicópteros foi limitada para situações de "absoluta excepcionalidade".

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO   

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo