segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

Moradores do Rio sofrem com água turva e com gosto de terra

Desde o início da semana, diversos relatos como esse vêm pipocando nas redes sociais e na mídia na cidade do Rio de Janeiro

@Forum
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - "Não é possível que eu seja a única pessoa do RJ que tá sentindo gosto ruim na água! Tem alguma m* acontecendo", reclamou uma internauta na última segunda (6). "Pensei que eu tava doida", respondeu nos comentários uma das várias amigas que concordaram com a crítica.
Desde o início da semana, diversos relatos como esse vêm pipocando nas redes sociais e na mídia na cidade do Rio de Janeiro. Moradores principalmente das zonas norte e oeste descrevem uma água muitas vezes turva, com cheiro e gosto de terra saindo das torneiras e filtros, distribuída pela Cedae (Companhia de Águas e Esgotos do Estado).
São numerosos também os relatos de pessoas que passaram mal após a ingestão. A Secretaria Estadual de Saúde chegou a informar que os casos de diarreia, gastroenterite e vômitos (de origem infecciosa ou não) dobraram em duas unidades de pronto atendimento da zona oeste.
Essas ocorrências saltaram de 660 no ano anterior para 1.371 neste ano, no período de 20 de dezembro a 5 de janeiro. A pasta, porém, reforça que é cedo para associar o aumento de pacientes com esses sintomas a uma suposta água contaminada, principalmente após as festas de fim de ano.
Questionada se também houve aumento na rede municipal, a secretaria de Saúde da cidade afirmou apenas que pacientes com diversas doenças podem apresentar diarreia e vômito e que a percepção de aumento de casos de gastroenterite nessa época é normal, principalmente pelo consumo de alimentos mal armazenados.
O problema causou uma corrida por água mineral nas regiões afetadas. "Fui em três mercados aqui perto de casa na Barra [da Tijuca, na zona oeste]: um gigante, um médio e um pequeno. Os três não têm água mineral. Sinto que teremos/estamos numa crise hídrica de água potável na zona oeste do RJ. Água da torneira com cheiro horrível. Dos filtros idem", conta um internauta.
Fato é que realmente existe ao menos uma substância anormal na água. A Cedae divulgou, na última terça (7), após as reclamações, que detectou geosmina em amostras analisadas. Geosmina é uma substância orgânica produzida quando há uma multiplicação acentuada de algas e bactérias na água.A companhia afirma que ela não representa nenhum risco à saúde humana e que pode ser livremente ingerida e usada pela população, estando dentro dos parâmetros exigidos pelo Ministério da Saúde.
"O fenômeno natural e raro de aumento de algas em mananciais, em função de variações de temperatura, luminosidade e índice pluviométrico, causa o aumento da presença deste composto orgânico, levando a água a apresentar 'gosto e cheiro de terra'", diz o comunicado.
A Cedae ressaltou que casos semelhantes ocorreram no Rio de Janeiro 18 anos atrás, em São Paulo em 2008, e em municípios dos estados da Paraíba e do Rio Grande do Sul em 2018, por exemplo.
Também afirmou que as amostras analisadas na Estação de Tratamento do Guandu (que abastece 8 milhões de pessoas em grande parte do Rio) já estavam dentro dos padrões. "Ao longo do sistema, porém, a água ainda pode apresentar gosto e cheiro alterados em alguns locais", dizia a nota.
Mesmo com os resultados positivos, dois dias depois a companhia decidiu mudar a forma como trata a água. Adotau, em caráter permanente, a aplicação de carvão ativado pulverizado no início do tratamento, para reter a geosmina caso o fenômeno volte a ocorrer, método utilizado por estados como SP, BA e RS.Especialistas, no entanto, rebatem que ainda é precoce liberar o consumo. A geosmina, por exemplo, pode alterar o gosto e o cheiro, mas não explica a turbidez ou aspecto "barrento" relatados em alguns locais. Uma concentração elevada da substância pode interferir na qualidade.

"Houve um aumento de algas e bactérias na água e, embora não relatado pela Cedae, estes microrganismos podem produzir alguns compostos que podem ser nocivos à saúde quando presentes em grandes quantidades", escreve o professor Marco Miguel, especialista em microbiologia de água e alimentos, em comunicado do Instituto de Microbiologia da UFRJ (veja recomendações abaixo).
Diante do problema, o Ministério Público estadual afirmou na quinta (9) que planeja realizar uma vistoria com os órgãos ambientais e de vigilância sanitária nos próximos dias. A ideia é ver se decisões judiciais vêm sendo cumpridas pela Cedae.
Em 2018, a 2ª Vara Empresarial da Capital condenou a companhia a "regularizar a qualidade no fornecimento de água, devendo adotar as medidas necessárias para sanar toda e qualquer inconformidade encontrada nas amostras de água que comprometam a qualidade desta".
Já em 2019, a 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça determinou que a empresa aperfeiçoasse o seu plano de monitoramento e avaliação da potabilidade, de forma contínua, transparente e eficaz, condenando a Cedae a uma reparação por dano coletivo de R$ 50 mil.  
A Vigilância Sanitária municipal, responsável pelo monitoramento da água de abastecimento, também avaliou 107 amostras coletadas na última semana e não encontrou problemas. Essa análise mede cloro, pH, turbidez, coliformes totais e a bactéria Escherichia coli, mas não detecta substâncias químicas, geosmina ou outros micro-organismos que podem causar danos à saúde humana.
VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo