quarta-feira, 15 de abril de 2020

EUA só ajudarão Brasil com insumos médicos quando crise melhorar


Os EUA são o epicentro do novo vírus, com mais de 583 mil casos confirmados têm sido acusados de interferir nas compras de respiradores e outros itens médicos.

© DR

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - Diante da guerra internacional por recursos médicos no combate ao coronavírus, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, disse nesta terça-feira (14) que os EUA estão tentando garantir acesso a todas as mercadorias das quais precisam para enfrentar a pandemia e devem ajudar o Brasil com insumos somente quando a situação melhorar entre os americanos.


Hoje os EUA são o epicentro do novo vírus, com mais de 583 mil casos confirmados e 23,6 mil mortes, e têm sido acusados de interferir nas compras de respiradores e outros itens médicos feitas por demais países, inclusive o Brasil, ao pagarem preços mais altos e desviarem suas rotas.
"Estamos tentando ter certeza de que temos todas as coisas que precisamos nesse período incrivelmente desafiador", afirmou Pompeo durante conversa com jornalistas por telefone nesta terça.
"O povo brasileiro pode contar com os EUA quando 'virarmos a esquina' ['turn the corner', expressão em inglês para se referir à melhora do quadro depois de uma situação difícil] e aumentarmos a produção americana para todos os itens restritos, que vão de respiradores, testes, tudo o que é necessário. Quando chegarmos lá, o Brasil deveria saber que faremos tudo o que pudermos para ter certeza de que eles têm o que precisam."
O secretário americano foi questionado sobre o possível confisco de carregamentos médicos destinados ao Brasil no início do mês, mas negou que tenha ouvido qualquer esforço nesse sentido dentro do governo dos EUA. Segundo Pompeo, os americanos estão contribuindo com assistência humanitária no Brasil.
Governadores do Nordeste acusam os EUA de terem confiscado carga de 600 respiradores artificias comprados da China. O carregamento fazia conexão em Miami antes de seguir ao Brasil mas ficou parado no aeroporto americano. A desconfiança era de que os EUA tivessem pagado mais à empresa chinesa e ficado com os equipamentos para uso no país.
Pompeo rechaça a ideia de confisco, mas não esconde a prioridade dos EUA, que diz ser legítima.
"Os EUA estão tentando se certificar de que há equipamentos para sua população, e isso é o que todos os líderes estão fazendo, é o que o presidente Bolsonaro está fazendo e o que todos os líderes latino-americanos estão fazendo."
O secretário de Estado aproveitou para atacar a China e dizer que "uma lição que será aprendida nessa crise" é que não se pode depender do Partido Comunista Chinês para a produção de itens tão necessários.
O embaixador do Brasil nos EUA, Nestor Forster, já havia se alinhado aos americanos ao dizer à Folha na semana passada que não havia confisco de insumos por parte dos EUA em relação ao Brasil e que o governo americano tem a possibilidade de usar da lei para garantir o uso de sua produção nacional.
O presidente Donal Trump invocou a Lei de Defesa da Produção para proibir a empresa 3M, por exemplo, de exportar itens para o Canadá e para países da América Latina. A 3M, por sua vez, protestou, afirmando que a decisão teria "consequências humanitárias significativas."
Na semana passada, a Casa Branca e a 3M então chegaram a um acordo, com uma importação de máscaras da China para suprir o mercado interno, e liberação da empresa para mandar os insumos para o Canadá e para países da América Latina.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo