quarta-feira, 15 de abril de 2020

Ministra italiana defende regularização de 600 mil estrangeiros

A Liga, o partido de extrema-direita liderado por Matteo Salvini, insurgiu-se imediatamente contra a proposta da ministra.

© DR
A ministra da Agricultura da Itália defendeu hoje a regularização de 600.000 imigrantes em situação irregular para ajudar a relançar a economia, fortemente afetada pela pandemia ligada ao coronavírus, suscitando críticas da extrema-direita.


"Chega de hipocrisia e de enterrar a cabeça na areia. É esta a minha resposta à reflexão sobre os cerca de 600.000 clandestinos a regularizar para relançar a economia", afirmou Teresa Bellanova num artigo publicado pelo jornal Il Foglio.
A ministra, que pertence ao Italia Viva, o novo partido centrista criado pelo ex-primeiro-ministro Matteo Renzi, respondia a dois colunistas do jornal que apelaram para a regularização de "600 mil invisíveis sem acesso a apoio socioeconômico e que escapam a qualquer monitoramento".
"Nenhuma instalação informal, nenhum trabalhador na sombra", afirmou, criticando aqueles que "insistem em não os ver" e "apenas se lembram quando o irreparável o obriga".
"Sim, cabe a nós, aos políticos, aos que governam, nos encarregarmo das contradições que a realidade nos impõe, ou outros se encarregarão delas: o crime".
A Liga, o partido de extrema-direita liderado por Matteo Salvini, insurgiu-se imediatamente contra a proposta da ministra.
O artigo de Bellanova "resume a visão delirante que este governo tem do fenômeno da imigração clandestina", denunciou o ex-ministro da Agricultura e senador da Liga, Marco Centinaio.
"Os incessantes desembarques de clandestinos, incluindo positivos para covid-19, não chegam, como não chegam os portos sempre abertos. Agora, o governo, através da ministra Bellanova, também quer se meter na agricultura", acrescentou.
Apoiado por outros senadores da Liga, o ex-ministro defendeu que o Governo devia antes apelar aos desempregados, que recebem subsídios, para trabalharem no campo.
A Itália, um dos países mais afetados pela pandemia ligada ao novo coronavírus, ordenou a 09 de março o confinamento da população e o encerramento de grande parte dos estabelecimentos, inicialmente apenas nas quatro províncias do norte do país, onde surgiu o surto, e dias depois alargado a todo o território.
As medidas, destinadas a travar a propagação do vírus SARS-CoV-2, têm efeitos econômicos graves, com o Fundo Monetário Internacional (FMI) a antever, nas previsões divulgadas hoje, uma recessão de 9,1% em 2020 e uma subida do desemprego para os 12,7%.
O mais recente balanço oficial de casos do novo coronavírus na Itália, divulgado na segunda-feira, registra 103.616 casos de infecção e 20.465 mortes associadas à covid-19.
Surgido em dezembro na China, o novo coronavírus já fez mais de 120 mil mortos e infectou mais de 1,9 milhões de pessoas em 193 países e territórios.
VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo