quarta-feira, 20 de maio de 2020

Alerj rejeita projeto que autorizava que se decretasse lockdown no Rio

A proposta, de autoria do deputado Renan Ferreirinha (PSB), foi arquivada

© Tomaz Silva / Agência Brasil


Por 55 votos contrários, 13 abstenções e um voto favorável, a maioria dos parlamentares da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) votou contrário ao projeto de lei que autorizava o governo do Estado a decretar medidas mais rígidas, conhecida como lockdown, como estratégia para impedir a disseminação do novo coronavírus no estado. A proposta, de autoria do deputado Renan Ferreirinha (PSB), foi arquivada. O único voto favorável à medida foi do autor da proposta.




A votação, como vem acontecendo em todas as sessões da Alerj, foi realizada de forma virtual, em respeito às medidas de isolamento social. A maioria dos deputados alegou, ao proferir o voto, que já existe uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) autorizando governadores e prefeitos a decretar medidas mais restritivas de isolamento para conter o avanço da covid-19.

O texto original da proposta autorizava o Executivo a suspender todas as atividades não essenciais à manutenção da vida e da saúde e regulamentar os serviços públicos e atividades essenciais, principalmente sobre horário de funcionamento e lotação máxima de pessoas.
A medida também autorizava o governo a proibir a circulação de veículos particulares, além de fechar a entrada e saída de veículos no estado do Rio, exceto para a compra de alimentos ou medicamentos, para transporte de pessoas para atendimento à saúde, para desempenho de atividades de segurança, para realizar itinerários de serviços essenciais e para caminhões ou ambulâncias.
A proposta ainda autorizava o governo a adotar sanções quando houvesse infração às medidas de restrição, podendo se valer, inclusive, de uso da força policial, caso fosse necessário.
Com informações da Agência Brasil
VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo