sexta-feira, 16 de julho de 2021

Nada justifica repressão a protestos em Cuba, afirma FHC

 

No domingo (11), cubanos foram às ruas nas manifestações que já são consideradas as maiores em décadas na ilha

© Getty

GUARULHOS, SP (FOLHAPRESS) - Para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, não há o que justifique a repressão do regime de Cuba aos atos populares realizados no país desde o último fim de semana. Também não é plausível "jogar a culpa nos americanos", acrescenta o tucano, em referência aos representantes do regime que apontam participação dos EUA na articulação dos protestos.

"Assim como sempre fui contra as pressões armadas e econômicas feitas contra o regime cubano, sou contra sufocar as manifestações do povo", disse FHC em comunicado enviado por sua fundação. "A democracia exige respeito aos que protestam, mesmo quando se está em desacordo com o que desejam."

No domingo (11), cubanos foram às ruas nas manifestações que já são consideradas as maiores em décadas na ilha. Entre outras demandas, pedem mais liberdade de expressão e políticas efetivas de combate à escassez de alimentos e remédios. A mobilização ganhou força após a crise ser intensificada pelos efeitos da pandemia de Covid. No ano passado, Cuba viu o PIB encolher 11%.

O regime reprimiu os atos e, ainda que as informações que chegam da ilha sejam difusas –há cortes na internet cubana–, a morte de um manifestante na periferia de Havana, a capital, foi confirmada. Ao menos cem pessoas foram detidas pela política, e, de acordo com o último balanço do Instituto Cubano para a Liberdade de Expressão e de Imprensa, 47 comunicadores sofreram algum tipo de repressão.

Na terça (13), o ex-presidente Lula (PT) também se manifestou sobre as mobilizações, mas em posição oposta à de FHC. O petista usou as redes sociais para defender a legitimidade do governo cubano. "Você não viu nenhum soldado em Cuba com o joelho em cima do pescoço de um negro, matando ele", escreveu o ex-presidente, em referência ao assassinato de George Floyd, homem negro morto pela polícia americana em 2020, um episódio que gerou comoção global.

O presidente Jair Bolsonaro, por sua vez, comentou os atos na segunda (12) e usou o episódio para alimentar o discurso de que o comunismo ameaça Brasil. "O dia de ontem foi um dia muito triste, dado o que aconteceu em Cuba. Muita gente acha que a gente nunca vai chegar lá, nunca vai chegar à [situação da] Venezuela, que a gente [nunca] vai ter problemas como estão tendo em outros países por aqui", afirmou. Também disse que os cubanos foram pedir alimentos e tiveram "borrachada, pancada e prisão".

O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, respondeu. Em uma rede social, disse que Bolsonaro, em vez de usar os atos na ilha para desviar a atenção dos problemas de sua gestão, deveria cuidar da atuação do governo no combate à pandemia e das acusações de corrupção que enfrenta.

Ainda que os atos na ilha tenham diminuído nos últimos dias, ativistas seguem com intensa mobilização nas redes sociais, usando a hashtag "SOSCuba". A cúpula do regime nega que os protestos tenham base social e acusa os EUA de articularem os protestos para fragilizar o país e fortalecer sua hegemonia.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o cônsul-geral de Cuba em São Paulo, Pedro Monzón, argumentou que a repressão aos atos foi cordial. "Não usamos balas de borracha ou canhões de água contra manifestantes, como em países da América Latina ou da Europa. Apenas prendemos gente que cometeu vandalismo, atacou policiais, como qualquer país faria", disse.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo