domingo, 22 de agosto de 2021

Esposa é suspeita de ter negociado morte de empresário em rede social por R$ 60 mil, diz polícia

 

A representante comercial Ana Cláudia Flor, que era casada com Toni, foi presa temporariamente na quinta-feira (19), em Cuiabá

© Chalabala / iStok

ALINY GAMA
MACEIÓ, AL (UOL/FOLHAPRESS) - O assassinato do empresário Toni da Silva Flor, 38, morto ao ser alvejado a tiros quando chegava a uma academia em Cuiabá, em 11 de agosto de 2020, foi articulado por meio de videochamadas feitas no aplicativo WhatsApp entre três suspeitos do crime, que também teriam acordado o valor de R$ 60 mil pela morte dele, segundo o delegado Marcel Oliveira, da DHPP (Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa de Cuiabá), responsável pelas investigações do crime.

A representante comercial Ana Cláudia Flor, que era casada com Toni, foi presa temporariamente na quinta-feira (19), em Cuiabá, após investigações da PC-MT (Polícia Civil de Mato Grosso) suspeitarem que ela seria a mandante do crime. Ela nega a participação no crime.
A polícia disse que o empresário foi assassinado porque teria descoberto que estava sendo traído e também porque a mulher queria ficar com os bens dele.

Toni da Silva Flor foi abordado por um homem ainda no estacionamento de uma academia, que o chamou pelo nome. O empresário não chegou a responder e já foi atingido por cinco tiros de arma de fogo, segundo a polícia. Mesmo ferido, ele conseguiu correr para dentro da academia, chegou a ser socorrido para o Hospital Municipal de Cuiabá, foi submetido a uma cirurgia, mas morreu dois dias depois.

Também na quinta-feira, a polícia cumpriu três mandados de prisão temporária, incluindo a prisão de Ana Cláudia, e cinco mandados de busca e apreensão expedidas pela 12ª Vara Criminal de Cuiabá. Foram apreendidos aparelhos de telefone celular, agendas e outros objetos que subsidiarão a continuidade das investigações sobre o crime.

A polícia afirmou que o assassinato de Toni da Silva Flor foi elucidado depois da prisão de Igor Espinosa, 26, na semana passada. 

O suspeito confessou durante a oitiva ter atirado e matado o empresário a mando de Ana Cláudia Flor, e que após o crime fez uma videochamada para informar o atentado contra a vítima, disse a Polícia Civil: "O crime foi acertado por uma videochamada entre dois intermediários e a mandante, onde ficou acertado o valor de R$ 60 mil pela morte do empresário. 

Parte do valor, R$ 20 mil, foi pago após o crime a um dos intermediários, sendo entregue em um envelope, nas proximidades do bairro Alvorada e posteriormente passados ao executor, que viajou com o dinheiro para o Rio de Janeiro".


O preso afirmou que um amigo de Ana Claúdia, que não teve o nome divulgado, entregou uma arma de fogo para matar o empresário e, depois, esse intermediário se desfez da arma ao jogá-la no lago do Manso. "O restante do valor combinado pela empreitada criminosa não foi pago", disse a polícia.

DAS SUSPEITAS À PRISÃO

O delegado Marcel Oliveira destacou que desde o início das investigações havia a suspeita de que mulher do empresário seria a mandante do crime, no entanto "era necessário reunir os elementos que corroborassem para as informações anônimas". O delegado afirmou que Ana Cláudia ia regularmente à delegacia para saber como estavam as investigações e sempre perguntava se já havia sido descoberto o mandante do crime.

A polícia afirmou investigações apontaram que a mulher do empresário teria dois motivos para encomendar o crime. O primeiro deles é que ela teria muitos amantes, e o marido havia descoberto as traições. A outra suspeita é que ela teria intenção de herdar os bens do empresário, "uma vez que a vítima possuía uma representação comercial muito forte, abastecendo vários supermercados da cidade, ser financeiramente estável e possuir casa, carro, moto, dinheiro na poupança, etc", ressaltou a polícia.

Oliveira destacou que, mesmo com a confissão dos demais envolvidos, que apontaram Ana Cláudia como mandante do assassinato, a investigada negou o envolvimento dela no crime. "Ela negou tudo que foi perguntado. Negou que conhecia os três e as investigações seguem em andamento. As prisões são temporárias, mas com a conclusão dos trabalhos deverão ser convertidas em preventivas, disse.

Nas redes sociais, Ana Cláudia Flor escrevia declarações amorosas ao marido e fazia homenagens póstumas em datas importantes, como o Dia dos Namorados. "Estaremos sempre juntos, de uma maneira ou de outra, nada irá nos separar. Seja nas orações, nos pensamentos, recordações, irei guarda-lo sempre em mim, meu eterno amor!", escreveu Ana Cláudia em uma publicação no Instagram.

Em outra publicação, cinco meses após a morte de Toni Flor, Ana Claudia, afirmou que sentia falta dele e que estava com saudades. "Nesses cinco meses sem você, eu experimentei a dor maior que o ser humano pode conhecer: a saudade. Senti e sinto sua falta todos os dias e todas as noites, em todos os instantes", escreveu Flor.

Ela tinha 30 mil seguidores no Instagram, mas depois da repercussão do caso, com a prisão dela nesta quinta, o perfil foi apagado.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo