segunda-feira, 4 de outubro de 2021

As questões mais comuns sobre cirurgia no tratamento ao câncer da mama

O artigo de opinião que se segue - em formato de pergunta/resposta - é da autoria da médica Sara Carvalhal, cirurgiã geral no Hospital CUF Descobertas - CUF Oncologia.

© Shutterstock


Perguntas mais frequentes sobre cirurgia no tratamento do câncer da mama:

O tratamento do câncer da mama pode ser só a cirurgia?

Apesar da cirurgia ser um componente fundamental do tratamento do câncer da mama, só em alguns casos particulares é a única abordagem utilizada.

As opções de tratamento disponíveis além da cirurgia são a quimioterapia, a radioterapia e a hormonoterapia. O tratamento inclui, quase sempre, uma combinação destas opções, que se adequa a cada caso, após correto diagnóstico, estadiamento e discussão em consulta multidisciplinar.

É sempre necessário fazer uma mastectomia (1)?

Não. Desde o início dos anos 80 que está demonstrado que os resultados da mastectomia são equivalentes aos da cirurgia conservadora (2) seguida de radioterapia. Ou seja, é possível conservar a mama e fazer apenas uma tumorectomia (3) se a seguir se fizer radioterapia. 

Há contudo várias situações em que se mantém a indicação para mastectomia (envolvimento da pele, tumor inflamatório, carcinoma in situ de grandes dimensões ou relação mama/tumor desfavorável).

Dr. Sara Carvalhal© DR

É possível fazer logo a reconstrução?

Sim. É possível fazer técnicas de reconstrução mamária no mesmo tempo em que é realizada a cirurgia oncológica – cirurgia oncoplástica. Quando falamos de técnicas de reconstrução, incluímos técnicas mais simples para permitir um remodelamento da mama quando esta é conservada ou técnicas mais avançadas com utilização de expansores, próteses e retalhos para substituir a mama quando esta tem que ser removida. Por vezes é indicado fazer uma cirurgia à mama do outro lado para que possa haver simetria.

Há sempre remoção de gânglios da axila desse lado?

Quase sempre. A axila é a 1ª localização para onde vão as metástases (4) de cancro da mama. Por vezes no momento do diagnóstico já há gânglios envolvidos e neste caso devem ser removidos. Quando não há gânglios suspeitos após a investigação inicial faz-se uma biopsia do gânglio sentinela. Esta técnica identifica o 1º gânglio a receber a drenagem linfática do tumor e por isso aquele em que é mais provável haver metástases; é utilizada para permitir um adequado estadiamento e decidir tratamentos adjuvantes (5), como a quimioterapia.

A recuperação pós operatória é complicada?

Na maioria dos casos a recuperação após cirurgia da mama não é complicada. O internamento é habitualmente curto (1-3 dias) e a dor facilmente controlada com analgesia. Claro que a rapidez da recuperação depende da extensão da cirurgia e das técnicas reconstrutivas utilizadas. É comum ficarem drenos que permanecem alguns dias e haver necessidade de realização de pensos durante pelo menos 15 dias. Durante este tempo é recomendada a atividade física moderada sem esforços.

Glossário:

1 – cirurgia para remoção completa da mama;

2 – cirurgia em que é removido apenas o tumor, conservando a mama restante; 

3 – cirurgia de remoção do tumor; 

4 – lesões com origem no tumor mas que aparecem em órgãos diferente e à distância; 

5 – tratamentos que complementam a cirurgia e que têm como objetivo alcançar a cura/remissão completa e douradora da doença.

Via...Notícias ao Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo