domingo, 9 de fevereiro de 2020

Organização rejeita "plano Trump" para conflito israelo-palestiniano

O novo Presidente da UA, o chefe de Estado sul-africano, Cyril Ramaphosa, comparou o plano norte-americano ao regime do 'apartheid'

@DR
Os dirigentes da União Africana rejeitaram hoje a proposta do Presidente norte-americano, Donald Trump, para resolver o conflito israelo-palestiniano, considerando que representa "uma enésima violação das múltiplas resoluções" das Nações Unidas e da própria UA.
O novo Presidente da UA, o chefe de Estado sul-africano, Cyril Ramaphosa, comparou o plano norte-americano ao regime do 'apartheid'.
"Lembrou-me a terrível história por que passámos na África do Sul", declarou Ramaphosa, que sucedeu hoje à frente da organização pan-africana ao Presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi.
"A causa palestiniana estará sempre nos corações e pensamentos do povo africano", tinha declarado Sissi na abertura da cimeira da UA em Adis Abeba.
O plano de Trump apresentado a 28 de janeiro foi muito criticado pelos palestinianos, que acusam Washington de ter elaborado uma proposta demasiado favorável ao Estado hebreu.
O projeto norte-americano promete a Israel soberania total sobre Jerusalém, incluindo sobre Jerusalém Oriental ocupada e anexada, assim como sobre o vale do Jordão e outros colonatos na Cisjordânia, também ocupada pelo Estado hebreu desde 1967.
O presidente da Comissão da UA, Moussa Faki, criticou um plano "elaborado sem qualquer consulta internacional".
O presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas, convidado habitual nas cimeiras da UA, não pode estar hoje em Adis Abeba, mas fez-se representar pelo seu primeiro-ministro, Mohammad Chtayyed, que criticou um "plano unilateral" e "sem legitimidade".
VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo