terça-feira, 29 de junho de 2021

Jacob Zuma é condenado a prisão por ignorar convocação da Justiça

 

Zuma, 79, foi deposto da Presidência em 2018, em uma ação orquestrada por aliados de seu sucessor, Cyril Ramaphosa, atual líder da África do Su

© Reuters


SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-presidente da África do Sul Jacob Zuma foi sentenciado nesta terça-feira (29) a 15 meses de prisão por desacato à Justiça após se negar a comparecer a audiências convocadas por uma comissão que investiga acusações de corrupção contra ele. Agora, Zuma tem cinco dias para se apresentar à polícia.

O ex-presidente compareceu apenas uma vez diante da comissão de inquérito e ignorou várias convocações posteriores.

Alegou razões médicas ou disse que estava preparando sua defesa para outros casos.

Zuma, 79, foi deposto da Presidência em 2018, em uma ação orquestrada por aliados de seu sucessor, Cyril Ramaphosa, atual líder da África do Sul. Desde então, o ex-presidente tem enfrentado medidas legais e acusações de crimes de corrupção cometidos antes e durante seu mandato.

Isso inclui a chamada "comissão Zondo", em que estão sendo examinadas alegações de suborno envolvendo três magnatas indianos –os irmãos Atul, Ajay e Rajesh Gupta– durante o governo Zuma. O ex-presidente nega qualquer irregularidade, mas até agora não cooperou com as investigações. Os itmãos Gupta, que também negam as acusações, deixaram a África do Sul após a deposição de Zuma.

Em outro processo, ele enfrenta 16 acusações de fraude, corrupção e crime organizado, relacionadas à compra de equipamento militar de cinco empresas europeias em 1999, quando Zuma era vice-presidente do país.

Segundo as denúncias, ele teria embolsado mais de quatro milhões de rands (cerca de R$ 1,4 milhão, na cotação atual) em subornos pagos pela empresa francesa Thales, um dos grupos que ganhou um contrato com o governo da África do Sul avaliado em mais de US$ 3,3 bilhões (R$ 16,3 bilhões).

Zuma enviou ao Tribunal Constitucional uma carta de 21 páginas na qual alega ter sido tratado injustamente. Em resposta pública ao documento, a juíza da corte Sisi Khampepe disse que o ex-presidente tenta "despertar simpatia pública por meio de alegações infundadas[que] vão de encontro à razão e são um insulto" à Constituição.

"Não me resta outra opção a não ser enviar Zuma para a prisão, com a esperança de que, com isso, seja enviada a ele uma mensagem clara: que o Estado de direito e a Justiça devem prevalecer", disse Khampepe.

Um porta-voz do ex-presidente disse a uma emissora de TV sul-africana que sua defesa estudaria a decisão do Tribunal Constitucional antes de emitir uma declaração.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo