domingo, 26 de setembro de 2021

Boca de urna indica empate entre social-democratas e conservadores na Alemanha

O levantamento da rede ZDF indica o SPD ligeiramente à frente, com 26% dos votos, seguido pela CDU com 24%

 

© Getty Images

ANA ESTELA DE SOUSA PINTO
HASSLOCH, ALEMANHA (FOLHAPRESS) - As pesquisas de boca de urna da eleição alemã deste domingo (26) confirmam o cenário acirrado dos levantamentos dos últimos dias e indicam um empate técnico entre os sociais-democratas (SPD), liderados por Olaf Scholz, e os conservadores da União Democrata-Cristã (CDU), de Armin Laschet -este apoiado pela atual primeira-ministra, Angela Merkel.

O levantamento da rede ZDF indica o SPD ligeiramente à frente, com 26% dos votos, seguido pela CDU com 24%. Na pesquisa da ARD, o resultado é de 25% para cada partido.


Em ambas, os Verdes estão em terceiro lugar (com 14,5% e 15%, respectivamente), seguidos pelos liberais da FDP (12% e 11%), de direita, e, mais atrás, a ultradireitista AfD e a socialista Esquerda. Números oficiais preliminares devem ser divulgados até a manhã desta segunda.


​O cenário não permite prever quem pode se tornar o sucessor de Merkel; indica apenas o início de complexas negociações -que podem levar semanas- para a formação de uma coalizão. Hoje, SPD e CDU compõem a aliança que dá sustentação a Merkel; ela fica no cargo até a eleição de um novo premiê.


Na comparação com a eleição de 2017, porém, os números mostram recuo forte da União, que levou 33% dos votos há quatro anos, e um avanço dos Verdes, que haviam ficado com 8,9%. O SPD também ganhou projeção: em 2017, obteve 20,5% dos votos.


"Estou seguro de que os eleitores no futuro estarão felizes com a decisão que fizeram hoje de votar no SPD", disse Scholz no começo da noite. Ele listou três prioridades para um possível governo: "respeito para todos" -o que inclui aumento do salário mínimo e aposentadorias-, inovação industrial e combate à mudança climática.


​Do outro lado, o clima era um pouco diferente: Laschet disse a apoiadores que seu partido não poderia se satisfazer com os resultados. "Faremos todo o possível para construir um governo de liderança conservadora porque os alemães agora precisam de uma coalizão futura que modernize nosso país", afirmou. "Provavelmente será a primeira vez que teremos um governo com três sócios"


Os eleitores alemães votam em deputados, não no candidato a premiê, que precisa ser aprovado pela maioria do Bundestag (equivalente à Câmara dos Deputados). Por isso, a formação de coligações é essencial, e o cenário de agora permite um vasto leque delas -mais à direita ou mais à esquerda.


O novo primeiro-ministro vai chefiar o governo da economia mais poderosa da Europa, cujo PIB em 2020 se aproxima de US$ 4 trilhões (R$ 21 tri, pelo câmbio atual) e representa 28% da zona do euro.


A Alemanha é também a quarta maior economia do mundo, em termos absolutos, ou a quinta pelos cálculos do Banco Mundial que relativizam o poder de compra, para permitir comparações (PPP). É a maior exportadora da Europa e a terceira maior do mundo.


O novo premiê tentará manter a grande influência política que a Alemanha costuma ter, e Angela Merkel tinha, na União Europeia.
Cientistas políticos e especialistas em pesquisas eleitorais apontaram que essa foi a eleição mais imprevisível desde o pós-Segunda Guerra Mundial.


Foi a primeira vez em 75 anos que um premiê no cargo não se lançou à reeleição -Merkel, que deixa o governo aclamada pelos alemães, anunciou em 2018 que não disputaria a quinta eleição neste ano.


Os principais candidatos eram nomes novos no cenário político, e o número de indecisos a dez dias da votação era recorde: 4 em cada 10 eleitores alemães diziam ainda não saber quem receberia seu voto neste domingo (26). Quatro anos atrás, os indecisos eram 35% e, em 2013, 24%.


Foi também a eleição com maior oscilação nas intenções de voto nas semanas finais da campanha. A União (CDU-CSU), de Merkel, começou o ano com 36% dos eleitores, mas despencou para 24% após a escolha de Laschet como seu candidato.


Os conservadores foram superados pelos Verdes nesse momento, em abril, mas tropeços da candidata ambientalista, Annalena Baerbock, reverteram as posições. No final de julho, porém, a União voltou a ser ultrapassada, dessa vez pelo SPD, partido social-democrata do qual faz parte Scholz.


Num intervalo de cinco meses, os Verdes perderam dez pontos percentuais, murchando de 26% para 16% das intenções de voto.
O combate à crise do clima e questões internas como salário mínimo, habitação e segurança dominaram as campanhas, numa eleição em que Scholz e Laschet disputaram entre si o chapéu de sucessor mais parecido com Angela Merkel.


Scholz chegou a posar para fotos repetindo o gesto de mãos em forma de losango, uma marca da primeira-ministra, enquanto a União o acusava de apropriação indébita da herança da líder conservadora.
Uma característica desta eleição foi que a xenofobia e islamofobia não dominaram a campanha, como aconteceu em 2017. Até mesmo no debate da TV do qual participou a candidata da ultradireitista Alternativa para a Alemanha (AfD), Alice Weidel, a palavra imigração só foi mencionada uma vez.


O partido xenófobo também adotou uma retórica de campanha mais moderada neste ano, na avaliação do cientista político Michael Hansen, professor da Universidade de Winsconsin.


Sua campanha eleitoral incluiu tópicos sociais, como liberdade, problemas das áreas rurais, energia verde, empregos, Covid-19, aposentadoria, igualdade de gênero e trabalho autônomo, relatou Hansen, em análise para blog da London School of Economics.


O resultado da votação deste domingo não encerra a temporada de dúvidas: os eleitores alemães não elegem diretamente o premiê, mas, sim, deputados. Isso quer dizer que o partido com mais votos não necessariamente indicará o próximo chefe de governo, se não for capaz de obter o apoio da maioria dos eleitos.


Não há nenhuma regra na Constituição sobre como os governos são formados e o presidente não precisa dar a nenhum partido um mandato para tentar construir uma aliança. Cabe às próprias siglas negociar seus acordos, e as diferentes conversas podem ser feitas simultaneamente.


Também não é obrigatório que o maior partido fique à frente do governo. Será primeiro-ministro quem negociar coalizões para obter a maioria dos votos dos deputados.
Em 1976, por exemplo, a União tinha o primeiro lugar por uma margem confortável, com Helmut Kohl como candidato a premiê, mas foi Helmut Schmidt (SPD) que continuou no cargo ao renovar a coalizão com o FDP.


As negociações neste ano eram vistas como mais difíceis, por causa da perspectiva de que fossem necessários três partidos para obter a maioria, e não apenas dois, o que amplia o leque de combinações possíveis.


Se um candidato a chanceler não obtiver a maioria necessária dentro de três votos, o presidente deve decidir nomear o chanceler de um governo minoritário ou dissolver o Bundestag, desencadeando uma nova eleição.


O sistema alemão favorece o pluralismo de partidos e, com exceção da eleição federal de 1957, em que a União obteve o governo sozinho, houve sete coalizões e oito chanceleres desde 1949. Nas diversas combinações, os conservadores se inclinaram tanto à centro-esquerda, com o social-democrata SPD , quanto à direita, com o liberal FDP.


O SPD, único outro partido a liderar um governo alemão, também experimentou coligações com a centro-direita conservadora e com os Verdes, mais próximos da centro-esquerda.
Em seus quatro mandatos, Merkel governou três vezes ao lado dos sociais-democratas, na chamada Grande Coalizão (GroKo), e uma vez com o FDP.


Apesar da indefinição sobre o governo, a maioria dos analistas acredita que, seja quem for o premiê e a coligação, sua posição deve ser semelhante à de Angela Merkel, pragmática e ao centro do espectro político.


O apuro pelo qual o democratas-cristão passaram, porém, mostra que a direita tradicional dominante na Europa pode estar em crise, segundo Tim Bale e Cristóbal Rovira Kaltwasser, autores do recém-lançado "Riding the Populist Wave: Europe's Mainstream Right in Crisis" (em tradução livre, "surfando a onda do populismo: a crise da direita hegemônica europeia).

Via...Notícias ao Minuto 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo