terça-feira, 9 de novembro de 2021

Após anúncio de reabertura, cresce procura de voos para os Estados Unidos

Nesta segunda-feira, foram registradas longas filas ao longo do dia nos balcões da companhia American Airlines, no Aeroporto Internacional de Guarulhos

© Shutterstock


Com a reabertura das fronteiras dos Estados Unidos nesta segunda-feira, 8, as cidades americanas são os destinos internacionais mais procurados pelos brasileiros neste fim de ano.

A projeção para este mês feita por uma das companhias aéreas que fazem o trajeto Brasil-Estados Unidos, a Latam Airlines, é de que 85% dos voos para o território americano estão ocupados. Nesta segunda-feira, foram registradas longas filas ao longo do dia nos balcões da companhia American Airlines, no Aeroporto Internacional de Guarulhos. Funcionários relataram que, desde que saiu a notícia de que as fronteiras dos EUA seriam reabertas, a procura por voos para aquele país tem aumentado.

Segundo a Associação Brasileira de Agências de Viagem (Abav), Nova York e Orlando lideram os pacotes de viagem nas datas de Natal e réveillon. A maioria dos viajantes vai em férias de família, de acordo com a associação. A Abav, no entanto, não possui números relativos à quantidade de brasileiros que devem viajar para os EUA nos próximos meses.

Entretanto, a presidente da associação, Magda Nassar, afirma que a procura pelos Estados Unidos cresceu cinco vezes desde o anúncio da reabertura. Até então, os destinos mais procurados eram Cancún, Dubai e cidades de Portugal e Espanha.

A mineira Andrea Motta, de 60 anos, foi uma das brasileiras que procuraram passagem aérea para os Estados Unidos logo que a reabertura foi anunciada, em meados de outubro. Ela pretende viajar com o marido no fim deste mês de novembro para passar dois meses com a filha, o genro e os netos em Austin, no Texas. "Assim que soubemos da data de reabertura, compramos a passagem."

A filha de Andrea, Fernanda Bueno, de 34 anos, mora nos Estados Unidos há cinco anos. Antes da pandemia, as duas costumavam se ver presencialmente a cada três meses. O maior período em que ficaram distantes desde que Fernanda nasceu havia sido de seis meses. Agora, as duas estão há um ano e quatro meses sem se encontrar pessoalmente.

Na última vez que foi aos Estados Unidos, em abril do ano passado, Andrea viu o terceiro neto nascer. Ela passou dois meses naquele país e estava lá quando as fronteiras foram fechadas. "Meu neto, que agora está com 1 ano e 6 meses, não me conhece fisicamente porque era muito bebê. Já meu neto mais velho, de 8 anos, está muito ansioso para me ver", declarou Andrea.

A expectativa é de que milhares de brasileiros devam fazer o mesmo que a mineira nos próximos meses. De acordo com a Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, o calendário de entrevistas para emitir ou renovar o visto está sem datas disponíveis até 2022. As entrevistas, que também estavam paralisadas por causa da pandemia do coronavírus, foram retomadas nesta segunda-feira.

Estadão questionou à Embaixada sobre qual o número atual de pessoas na fila de espera para obter o visto, mas não obteve resposta. Segundo empresas que prestam consultorias a clientes para facilitar a obtenção do visto, esse é um número imensurável. "Antes da pandemia, o consulado de São Paulo atendia 3 mil pessoas por dia. Não dá para medir qual o tamanho atual da fila", afirmou o consultor Guilherme Carvalho, da S2 Vistos.

Segundo destino, só atrás da Argentina

Em 2019, 2,1 milhões de brasileiros foram aos Estados Unidos, de acordo com o relatório do Departamento Nacional de Viagens e Turismo americano. Trata-se do segundo destino internacional mais procurado no Brasil, atrás somente da Argentina.

Menores de 18 anos estão isentos da exigência de vacinação, mas pessoas entre 2 e 17 anos, caso estejam acompanhados de adultos totalmente vacinados, deverão apresentar o resultado negativo de um teste de covid realizado até três dias antes da viagem. Caso a pessoa esteja viajando sozinha ou com adultos não vacinados, o teste terá de ser feito um dia antes da partida. Menores de 18 anos não precisarão ficar em quarentena quando chegarem aos Estados Unidos. (Colaborou Daniel Teixeira)

Via...Notícias ao Minuto   

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo