quarta-feira, 17 de novembro de 2021

Perfil fake usa fotos de Fábio Assunção para ameaçar ativista trans

A ativista transexual Indianarae Siqueira sofreu ameaças de morte no Twitter de um perfil que usava fotos do ator Fábio Assunção

© Reprodução / TV Brasil

A ativista transexual  Indianarae Siqueira sofreu ameaças de morte pela internet -  militante que também é a fundadora da Casa Nem, espaço que abriga pessoas LGBTQIA+ em situação de rua e vulnerabilidade social - ela foi acompanhada na tarde desta terça-feira (17), pelo corpo jurídico da Carvalho & Negreira Advogados Associados e realizou um registro de ocorrência na  Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), no Centro Rio de Janeiro. O perfil 'fake' ainda se utilizou de foto do ator Fábio Assunção em sua intimidação.  Indianarae ainda afirmou que a Casa de resistência Palco Lapa 145 também foi alvo de intimidação. 

“Querem impedir nosso direito de ir e vir. Se incomodam com a nossa existência. Mas estamos aqui para ser e resistir. Intimidadores e que ameaça nossas vidas, quem deseja a nossa morte não passarão”, diz  Indianarae Siqueira.

Entre as mensagens no Twitter, o perfil enviou as seguintes mensagens: “Vamos assassinar todo travesti dessa casa imunda junto com essa tal de Indianara “ e ” Nojento esse palco Lapa só tem travesti aberração”, dizia o  perfil 'fake', que usou a foto do ator Fábio Assunção em sua intimidação.

Tipificação criminal

Segundo o advogado Valdinan Carvalho, que acompanhou a ativista na Decradi, o caso foi registrado sob o fundamento da lei 7716/89, em seu artigo 20,  após entendimento do STF, que equiparou  a homofobia e a transfobia, como discriminação e preconceito tais condutas como crimes imprescritível. A lei que trata de crime de racismo em caso de descriminarão de cor e raça, agora pune os crimes contra a população LGBTQIA+.

“Acreditamos que o próximo passo da investigação será a solicitação junto ao provedor do Twitter, o login e da conta que foi bloqueada após denúncia,  para identificação do IP, para assim localizar o infrator”, explica o advogado Valdinan Carvalho.

Para a advogada Paula Alves, do corpo jurídico da Carvalho & Negreira Advogados Associados, a sociedade não deve permitir que ninguém determine como o outro deve viver sua vida.

“Quando presenciamos ataques, principalmente, a instituições de acolhimento, a minorias e a vulneráveis, devemos buscar nossos direitos denunciando as pessoas que atentem contra estes direitos. Não devemos admitir, nem nos calar diante de ameaças e ataques, pois assim, mudaremos se não o pensamento deles, as leis, para tornar mais severas as punições contra estas intolerâncias e desrespeitos”, afirma advogada Paula Alves.

O Brasil é o país que mais mata LGBTIA+ no mundo, e esses ataques acontecem na semana do T-DOR onde o 20 de Novembro é também o Dia Internacional da Memória Trans, que lembra às vítimas fatais de transfobia.

Via...Notícias ao Minuto 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo