sábado, 27 de novembro de 2021

Reino Unido ajuda Londres a retomar posto de centro financeiro do mundo

O governo britânico informou, este mês, que seus principais reguladores financeiros serão obrigados a ajudar a impulsionar o crescimento e a competitividade internacional no setor financeiro

© Getty Images


Londres quer recuperar o posto do centro financeiro mais movimentado do mundo de Nova York, revisando a forma como os bancos e outras firmas financeiras são regulamentados após o Brexit - a saída do Reino Unido da União Europeia.

O governo britânico informou, este mês, que seus principais reguladores financeiros serão obrigados a ajudar a impulsionar o crescimento e a competitividade internacional no setor financeiro, como mandatos secundários para tarefas existentes, como manutenção da estabilidade financeira e proteção do consumidor.

As mudanças na prática dariam às agências reguladoras mão mais livre para reescrever regras sobre tópicos como ofertas públicas iniciais (IPO), finanças verdes e criptomoedas.

As medidas são uma resposta ao divórcio com a UE, que entrou em vigor no início deste ano. No passado, o Reino Unido tinha que seguir as regras europeias, que estavam consagradas na legislação britânica. As propostas "facilitarão a revogação da maioria das leis de serviços financeiros da UE retidas", disse o Tesouro do Reino Unido.

As mudanças que estão sendo impulsionadas pela indústria incluem renovar as regras herdadas da UE em áreas como compensação e bônus bancários, firmas de private equity, fundos de hedge e seguros, de acordo com Barnabas Reynolds, um sócio baseado em Londres do escritório de advocacia Shearman & Sterling LLP.

A regulamentação financeira mais frouxa, que lançou as bases para a crise financeira global de 2008, levou a uma revisão regulatória no Reino Unido. Alguns temem que essas mudanças, destinadas a proteger investidores e mercados, possam ser desfeitas com maior ênfase na competitividade.

"Veremos regras enfraquecidas para atrair negócios?" questionou Rachel Haworth, gerente de políticas da ShareAction, uma organização sem fins lucrativos do Reino Unido que organiza campanhas de investidores sobre questões sociais e ambientais. "Isso seria motivo de preocupação e potencialmente prejudicaria a integridade do mercado britânico que o torna atraente."

O papel de Londres como centro financeiro na Europa foi lançado em incerteza pela votação do Reino Unido em 2016 para deixar o bloco comercial. Por uma geração, Londres serviu como o centro oficial de atividades bancárias e financeiras em toda a UE, ajudando empresas e países a levantarem dívidas, emitirem ações e investirem.

O Brexit prejudicou a capacidade de Londres de atender às empresas da UE, exigindo que alguns negócios europeus, como negociação de ações e vendas de alguns produtos financeiros, ocorressem dentro das fronteiras do bloco.

Alguns veem a saída, no entanto, como uma chance para o Reino Unido redefinir suas regras financeiras para se tornar mais competitivo, semelhante às mudanças da década de 1980 sob o governo da primeira-ministra Margaret Thatcher, conhecido como "Big Bang".

Londres liderou Nova York de 2015 a 2018 em uma classificação de capitais financeiros compilada pelo Z / Yen Group, com base na disponibilidade de capital e trabalhadores qualificados, o Estado de Direito, infraestrutura e outros fatores. Brexit, a crise financeira europeia e o fim do boom das commodities no início da década passada corroeram as fortunas de Londres, secandos o IPO e as atividades de fusões e aquisições que impulsionam as transações financeiras.

O Reino Unido também ficou recentemente em segundo lugar, depois dos EUA, em uma lista de centros financeiros do grupo de pesquisa New Financial, com sede em Londres.

O TheCityUK, um grupo de lobby de bancos e financeiras, quer que o Reino Unido fique em primeiro lugar entre os centros financeiros globais em cinco anos. Fonte: Dow Jones Newswires.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo