sexta-feira, 17 de junho de 2022

Conselho da Petrobras rejeita pedido do governo para segurar preços

A Petrobras não reajusta o preço da gasolina há 97 dias. O preço do diesel foi elevado pela última vez há 37 dias.

© Getty


(FOLHAPRESS) - O conselho de administração da Petrobras rejeitou nesta quinta-feira (16) pedido do governo para segurar os preços dos combustíveis. Em reunião extraordinária, o colegiado reforçou que a decisão sobre preços é atribuição da diretoria da estatal.

A expectativa é que a empresa anuncie um reajuste no preço do diesel nos próximos dias e a reunião foi uma última cartada do governo para tentar evitar o aumento. O encontro foi marcado pelo presidente do conselho, Marcio Weber, e tinha como tema "aumento de preços".

A Petrobras não reajusta o preço da gasolina há 97 dias. O preço do diesel foi elevado pela última vez há 37 dias. Com o petróleo em alta e o real voltando a perder valor ante o dólar, a empresa vinha sinalizando que fará reajustes em breve

O presidente Jair Bolsonaro (PL), porém, vem pressionando a direção da companhia a segurar repasses enquanto põe em prática um pacote de medidas para tentar reduzir os preços, que inclui o estabelecimento de um teto para alíquotas do ICMS, aprovado pelo Congresso na quarta (15).

A pressão esbarra na resistência da direção da empresa, que defende que a manutenção de preços defasados cria risco de abastecimento de diesel no país, já que cerca de 25% do mercado é suprido por produto importado.

O conselho de administração reforçou que o estatuto da empresa dá à diretoria a competência por definir reajustes. A decisão é tomada por um comitê formado pelo presidente da companhia, José Mauro Coelho, e pelos diretores de Finanças e Comercialização e Logística, Rodrigo Araújo e Cláudio Mastella.

Segundo a Abicom (Associação dos Importadores de Combustíveis), o preço médio do diesel nas refinarias brasileiras estava R$ 1,08 abaixo da paridade de importação nesta quarta (15). A diferença no caso da gasolina era de R$ 0,67 por litro.

A reportagem apurou que a reunião extraordinária do conselho foi convocada a pedido dos ministros Adolfo Sachsida (Minas e Energia) e Ciro Nogueira (Casa Civil), que têm participado da força-tarefa do governo para tentar convencer a estatal.

A avaliação é que reajustes nesse momento ofuscam os efeitos positivos das medidas em negociação no Congresso, que poderiam reduzir os impactos da escalada inflacionária sobre a popularidade do presidente Jair Bolsonaro (PL).

O teto para o ICMS, por exemplo, pode reduzir o preço médio da gasolina em R$ 0,657 por litro, segundo projeção do consultor Dietmar Schupp. O valor varia entre os estados, podendo ir de R$ 0,441 por litro, no Amapá, a R$ 1,153, no Rio de Janeiro, que tem a alíquota mais cara do país

Na semana que vem, o Congresso debate a chamada PEC dos combustíveis, que autoriza o governo a zerar impostos federais sobre a gasolina e compensar estados que se dispuseram a reduzir o ICMS sobre o diesel e o gás de cozinha.

Com as medidas, Bolsonaro (PL) espera uma redução total de R$ 2 por litro no preço da gasolina. O preço do diesel cairia R$ 1, segundo as contas do presidente.

A resistência da direção da Petrobras em alterar a política de preços levou à demissão, no fim de maio, do presidente da companhia. Coelho, porém, segue no cargo até que seu substituto, Caio Paes de Andrade, seja aprovado em assembleia de acionistas.

No encontro, ainda não agendado, Bolsonaro tentará renovar todo o conselho, indicando nomes mais alinhados ao governo. Na lista de dez nomes apresentada à estatal, há seis ocupantes de cargos públicos, em estratégia diferente da adotada até agora, que indicava executivos do setor privado.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo