sexta-feira, 3 de junho de 2022

Lula diz que rixa com Alckmin no PSDB era de 'amigos que jogam bola'

 

"Não é que o Alckmin não me criticasse ou não o criticasse. A gente fazia as críticas como amigos que jogam bola. A gente dá botinada, a gente pisa no pé, chuta a canela, mas a gente continua sendo civilizado e continua conversando", afirmou

© Getty

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez um novo afago ao PSDB, após dizer na terça-feira, 31, que o partido "acabou". Ao falar da rivalidade que travou com Geraldo Alckmin (PSB) na época em que o ex-governador paulista era filiado à sigla, o petista que ambos trocavam críticas como "amigos que jogam bola".

"Não é que o Alckmin não me criticasse ou não o criticasse. A gente fazia as críticas como amigos que jogam bola. A gente dá botinada, a gente pisa no pé, chuta a canela, mas a gente continua sendo civilizado e continua conversando", afirmou nesta quinta, 2, durante evento com figuras do setor da cultura no Rio Grande do Sul. Alckmin hoje é pré-candidato a vice de Lula.

Na quarta, o ex-presidente também acenou ao partido ao dizer que o País era "feliz" quando a principal polarização do cenário político brasileiro acontecia entre PT e PSDB. Os afagos são uma forma de o petista reverter o mal-estar que se instalou entre os tucanos após a declaração sobre a sigla ter acabado. Lula tenta angariar apoio de quadros do partido, no primeiro turno, à sua candidatura.

No mesmo evento, Lula defendeu que os ministros do Supremo Tribunal Federal devem evitar manifestações pela imprensa sobre casos que estão sendo julgados pela Corte. "O STF tem que apenas ser o guardião da Constituição. Não pode ficar fazendo discurso e dando voto pela imprensa. O voto tem que ser dado pelos autos do processo", criticou durante encontro com representantes do setor da cultura em Porto Alegre (RS).

Lula ainda voltou a dizer que é preciso recuperar a "normalidade das nossas instituições", ao criticar novamente a atuação do Ministério Público na Operação Lava Jato e o uso das chamadas emendas do relator, que deram origem ao orçamento secreto. Revelado pelo Estadão, o mecanismo é usado pelo Executivo para angariar apoio de parlamentares.

"Vamos ter que recuperar a normalidade das nossas instituições, o Congresso tem que voltar a legislar, o Ministério Público tem que voltar a cumprir seu papel de ser mais responsável", disse o ex-presidente. "O Congresso Nacional não tem que ter orçamento próprio para o relator. Quem tem que cuidar do orçamento é o poder Executivo. Esse País tem que voltar à normalidade", continuou Lula.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO   

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo