sábado, 11 de junho de 2022

Rio vive aumento de casos de Covid e já tem fila por leitos

 

Nesta sexta, a ocupação somada dos leitos de UTI e enfermaria estava em 51% e havia oito pessoas aguardando na fila.

© Getty Images

(FOLHAPRESS) - Assim como o restante do país, o estado do Rio de Janeiro também foi afetado pela nova onda da Covid-19, que pressiona o atendimento e já resulta em filas para internação, embora o cenário ainda esteja longe da gravidade observada no início do ano.

FOLHAPRESS) - Assim como o restante do país, o estado do Rio de Janeiro também foi afetado pela nova onda da Covid-19, que pressiona o atendimento e já resulta em filas para internação, embora o cenário ainda esteja longe da gravidade observada no início do ano.

Na semana de 28/5 a 5/6, a média diária de pessoas aguardando leitos Covid-19 foi de 17 para UTI e de 14 para enfermaria, segundo dados da Secretaria de Estado de Saúde. Do início de maio até o dia 27, este número ficou por volta de cinco pessoas.

Entre esta quinta (9) e sexta-feira (10), a mediana do tempo de espera por um leito era de 8 horas no caso da UTI e de três horas para enfermaria.

No início de maio, foram registradas de duas a três solicitações de leitos por dia. Na semana de 28/5 a 5/6, a média diária de solicitações subiu para 13 no caso da UTI e 12 para enfermaria.

Na mesma semana, a média diária de atendimentos por síndrome gripal nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) do estado foi de 489, um aumento de 14% em relação à semana anterior e de 36,5% em comparação com a primeira semana de maio.

A capital tinha 135 internados por Covid-19 na rede SUS na noite desta sexta-feira (10) –o maior número desde fevereiro. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, 85% dessas pessoas estão com o esquema vacinal atrasado.

Nesta sexta, a ocupação somada dos leitos de UTI e enfermaria estava em 51% e havia oito pessoas aguardando na fila.

A taxa de positividade dos testes de Covid-19 também vem crescendo desde o final de abril. Naquele momento, cerca de 5% dos testes de antígeno no estado tinham resultado positivo. Na última semana, esta porcentagem foi de 28%.

Diante da pressão no atendimento, o governo reverteu 40 leitos para Covid-19 no Hospital Estadual Dr. Ricardo Cruz, sendo 30 de enfermaria e 10 de UTI. A medida foi tomada entre os dias 4 e 6 de junho.

O estado afirma que a ação pode ser estendida a outras unidades, de acordo com a demanda. "O plano prevê a ativação de níveis a partir de determinados cenários epidemiológicos. Com base nesse plano, em cada nível de ativação, são definidas as medidas de enfrentamento a serem tomadas", diz o estado.

Apesar do aumento do número de internações, o Governo do Rio de Janeiro não está reunindo e divulgando os dados a respeito da ocupação dos leitos.

A Secretaria de Estado de Saúde argumenta que a taxa de ocupação vinha sendo reportada pelos municípios, que pararam de repassar a informação quando a maior parte dos leitos deixou de ser exclusiva para a doença. "Por esse motivo, esse dado está sendo revisto para voltar a ser informado", disse a pasta em nota enviada à reportagem na última terça-feira (7).

No dia 3 de junho, a Subsecretaria de Vigilância e Atenção Primária à Saúde enviou nota técnica aos 92 municípios com orientações sobre testagem para Covid-19 no estado. O texto alerta para que as unidades básicas e de pronto atendimento mantenham a oferta de teste rápido de antígeno para todos os casos de síndrome gripal.

O governo também reforça a recomendação para que a população complete o esquema vacinal.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo