segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Janelas de vinho: Itália revive tradição da época da peste negra

Tradição é da Idade Média e volta a ganhar utilidade nos dias de hoje

© DR
Com a Covid-19 e a obrigatoriedade de fecharem as suas portas, muitos cafés e restaurantes tiveram que arranjar novas formas de manter os negócios. Muitos adotaram o Take Away como o seu principal meio de venda, utilizando as janelas para realizar a entrega de encomendas no local, permitindo assim o distanciamento entre funcionários e clientes.


A ideia, contudo, não é assim tão original, escreve a imprensa italiana. Há muitos anos - precisamente na época da peste negra - eram construídas na cidade, pequenas janelas para a venda de vinho. Uma invenção que se espalhou por toda a Toscana naqueles anos de peste bubônica, que foi particularmente intensa na Itália em 1630 e que, agora, volta a ganhar utilidade.
Estas janelas eram compostas por ripas de madeira que permitiam que permanecessem fechadas e tinham o tamanho certo de uma garrafa de vinho. O pagamento era feito através do depósito de moedas numa caixa, as quais eram posteriormente desinfectadas com vinagre. 'Distanciamento social' não era, possivelmente, um termo usado na altura, contudo as janelas foram construídas com o propósito que nos dias de hoje está cada vez mais presente nas nossas vidas.
De seu nome original 'buchette del vino', da Toscana, as janelas estão esculpidas nas paredes de lojas vinícolas e lojas urbanas, onde permaneciam como registro da história do país, mas ganham agora novamente vida, com muitos proprietários a usarem-nas para manter os seus negócios. Através delas vendem vinho, café, e até comida.  
Para o diretor da Wine Window Association, Matteo Faglia, a ideia tem sido uma mais-valia para comerciantes sobretudo porque os italianos, por saberem que se trata algo ligado ao seu passado, tendem a respeitar e a dar um valor diferente a esta forma de comércio.



VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo