terça-feira, 19 de julho de 2022

Motim em prisão no Equador deixa 13 mortos e ao menos 2 feridos, diz governo

 

A polícia e as Forças Armadas estão retomando o controle da instituição

© Shutterstock

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Treze prisioneiros foram mortos e ao menos dois ficaram feridos na prisão Bellavista, na cidade equatoriana de Santo Domingo, nesta segunda-feira (18), disse a agência penitenciária do Equador, no mais recente incidente de violência carcerária no país.

O número de vítimas da rebelião, contudo, pode ser maior -uma contagem final ainda será realizada pelo gabinete do procurador-geral.

Em maio, nesta mesma prisão, localizada cerca de 80 quilômetros a oeste de Quito, a violência deixou como saldo 44 mortos e onze feridos, sendo dois venezuelanos e um policial. Na ocasião, 220 presos escaparam, mas quase todos já foram recapturados.

A polícia e as Forças Armadas estão retomando o controle da instituição, afirmou a agência penitenciária SNAI em seu perfil no Twitter, depois de classificar o incidente como "disputa".

O governo do presidente Guillermo Lasso atribui a violência carcerária às brigas entre gangues pelo controle do território e pelas rotas do narcotráfico. O Equador enfrenta uma onda de violência que deixa corpos decapitados pendurados em pontes, ao estilo dos cartéis mexicanos, depois de passar muitos anos relativamente a salvo da violência de seus vizinhos Colômbia e Peru, os dois maiores produtores de cocaína do mundo.

Em 2020, o Equador apreendeu 6,5% da cocaína capturada no mundo, ficando atrás da Colômbia (41%), e Estados Unidos (11%), e acima do Brasil (6,4%) e Bélgica (4,9%). No ano passado, o país apreendeu um recorde de 210 toneladas de drogas, principalmente cocaína.

Neste cenário, a taxa de homicídios explodiu -em 2021, foram 14 assassinatos por 100 mil habitantes, quase o dobro do ano anterior. A população do Equador é de 17,6 milhões de pessoas.

Cerca de 33.900 pessoas estão detidas nas prisões do Equador, 12,5% acima da capacidade máxima, segundo dados oficiais. Desde fevereiro de 2021, houve uma dúzia de massacres nas penitenciárias, com cerca de 400 presos mortos.

Segundo a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, o sistema penitenciário do Equador é prejudicado pelo abandono do Estado e pela ausência de uma política abrangente, além de condições precárias para os detentos.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo