terça-feira, 19 de julho de 2022

Pesquisa: 63% do eleitorado de Bolsonaro em São Paulo critica Bolsa Família

O Bolsa Família foi lançado em 2004, durante o primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), adversário de Bolsonaro na corrida eleitoral atual.

© Shutterstock

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Uma pesquisa feita na cidade de São Paulo mostrou que 63% daqueles que apoiam o presidente Jair Bolsonaro (PL) se colocam críticos ao Bolsa Família, programa social substituído pelo Auxílio Brasil.

Essa porcentagem disse concordar com a frase "Bolsa Família estimula pessoas a não trabalhar", apresentada pelos pesquisadores para medir a popularidade de medidas sociais entre votantes.

O mesmo questionamento havia sido aplicado em 2019 pelos pesquisadores Pablo Ortollado e Marcio Moretto Ribeiro, do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação da USP (Universidade de São Paulo), naquele que foi o primeiro ano do governo Bolsonaro.

De lá para cá, houve estabilidade na avaliação negativa do Bolsa Família -de 61% aos 63%. A margem de erro da pesquisa, feita com 2.308 pessoas entre 7 e 14 de maio de 2022, é de 4 pontos percentuais quando considerados aqueles que declararam ter votado em Bolsonaro em 2018 e 5 pontos percentuais para aqueles que declaram votar no atual presidente em 2022. O intervalo de confiança é de 95%.

Por outro lado, são 34% os que concordam com a afirmação entre aqueles que não declaram voto em Bolsonaro em 2022, mesmo percentual de 2019.Segundo os pesquisadores, o questionário buscava avaliar identificações do bolsonarismo com temas diversos, como críticas ao PT ou a políticas LGBTQIA+.

Em relação ao Bolsa Família e às cotas raciais -rejeitadas por 37% dos bolsonaristas, enquanto são 16% os não eleitores do presidente que criticam as políticas-, foram encontrados pontos condizentes com uma retórica que acusa "movimentos sociais progressistas de demandar políticas que criam 'privilégios' e, por isso, furariam a fila da meritocracia", avaliam.

O Bolsa Família foi lançado em 2004, durante o primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), adversário de Bolsonaro na corrida eleitoral atual. Em 2021, Bolsonaro mudou o programa para o atual Auxilio Brasil e buscou desvincular as políticas assistencialistas do período petista.

Desde então, Bolsonaro busca ganhar eleitoralmente com os benefícios dados pelo Auxílio Brasil e procura impulsionar o programa. A PEC dos Auxílios, por exemplo, aprovada recentemente pelo Congresso Nacional, deu abertura para que o valor do auxílio fosse de R$ 600 até o fim do ano -mesmo valor do Auxílio Emergencial dado em 2020 por conta da Covid-19.

VIA...NOTÍCIAS AO MINUTO  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são pessoais, é não representam a opinião deste blog.

Muito obrigado, Infonavweb!

Topo